O Desafio dos Gestores Organizacionais

Postado por: Élvis Mognhon

Compartilhe

 

Ser gestor organizacional é uma tarefa complexa. Está entre equilibrar vida pessoal, profissional e especialmente tomar decisões que impactam diretamente a vida das pessoas. No artigo da semana passada abordamos o tema das diferentes gerações no ambiente organizacional. A ideia dessa semana é abordar a importância do gestor para equacionar todas as variáveis do ambiente organizacional, inclusive o conflito de gerações tão presentes nas empresas nos dias atuais.

Ser gestor é dialogar diariamente com a dúvida e a incerteza, com a alegria de ver os projetos organizacionais sendo colocados em prática e a frustração de perceber que nem todos os colaboradores se entregam na mesma medida. É um constante processo de equilíbrio entre diferentes perspectivas e possibilidades, tornando o ambiente uma “montanha-russa” devido aos altos e baixos e a emoção presente no processo. Nem todos nascem com as características necessárias ao exercício da gestão. Se assim fosse, não existiriam tantas Escolas de Negócios oferecendo Graduação, Pós-Graduação, MBAs e Pós-MBAs pelo mundo afora. O desenvolvimento da liderança, tão necessária aos gestores, por si só, demanda um desprendimento pessoal muito grande, e nem todos estão dispostos a pagar esse preço.

Gestores eficientes e eficazes precisam desenvolver-se constantemente. O mundo mudou, está mudando e mudará cada vez mais velozmente. As organizações que não se adaptarem sucumbirão e não verão seus projetos serem perpetuados. Quem não compreender isso, e não tiver velocidade para dar as respostas necessárias, inclusive às perguntas que ainda serão formuladas, corre o risco de não receber novas oportunidades.

Diversos são os atributos que um gestor precisa ter, mas o mais importante talvez seja o exercício da liderança. O gestor não precisa fazer tudo, mas ele precisa ter pessoas motivadas que façam o que precisa ser feito. Portanto, precisa ser um motivador, precisa conduzir pelo exemplo e coordenar os esforços para que o objetivo organizacional seja atingido.

No conflito de gerações presentes no ambiente organizacional, precisa alcançar o potencial máximo de cada colaborador, levando em consideração as características de cada um. Aproveitando ao máximo as potencialidades e mitigando os efeitos das carências individuais. Um gestor jamais pode sentir-se ameaçado por alguém que queira contribuir positivamente para o desenvolvimento da organização, levando em consideração que essa intencionalidade seja clara, coerente e colaborativa. Com isso, o gestor conseguirá alcançar a confiança de seus subordinados e eles trabalharão como se fossem “donos do negócio”, partícipes das conquistas e integrados de forma adequada à organização.

Isso tudo, requer muita atenção, ousadia e capacidade de visão sistêmica do gestor. É preciso enxergar o todo da organização. Perceber o que está nas entrelinhas de cada discurso, de cada ausência, de cada omissão. O aumento do turnover (rotatividade) e do absenteísmo (faltas) em grande medida indicam que algo não estão bem e que o ambiente está deixando a desejar. O mercado sempre terá algo melhor para oferecer, pois a “grama do vizinho é sempre mais verde”, até o momento que as pessoas descobrem que a grama do vizinho pode ser de plástico, mas muitos estão dispostos a pagar o preço dessa descoberta. Falta de reconhecimento, salários defasados diante dos concorrentes, ambiente de trabalho hostil e que não proporcionem liberdade de atuação e criação, estão entre os principais fatores que motivam os pedidos de desligamento.

O aspecto do reconhecimento merece destaque especial. Diversas pesquisas indicam que esse é o principal fator motivacional dos colaboradores. E ele não custa nada, além da capacidade do gestor de se colocar como alguém que percebe no outro potencial e assertividade no que faz.

Finalizando, penso fundamental que o gestor faça reflexões sobre o seu papel e desempenho de suas atividades constantemente. O gestor que não reflete sobre si mesmo e sobre seu formato de gestão não é digno do cargo que ocupa. Portanto, é tarefa primordial estar em constante processo de reflexão e revisão de condutas, todos os dias, pela vida toda. Isso parece cansativo? Se a resposta for sim, não seja gestor, busque outra coisa para fazer.

 

** O leitor poderá enviar sugestões, dúvidas, questionamentos sobre o tema para o e-mail: emognhon@gmail.com Para agendar atendimentos clínicos utilizar o WhatsApp (54) 99983 9966.

 

Leia Também É perigoso dizer SIM! Livro do Deuteronômio: abre a tua mão para o teu irmão (Dt 15,11) O palhaço do fogo do circo RABISCOS SEMANAIS: Caminhar juntos(as)!