RABISCOS SEMANAIS: Sede uma Juventude Alegre!

Postado por: Leandro de Mello

Compartilhe


O Rio Grande do Sul até 2010 compunha a província com o maior número de dioceses sufragâneas do mundo, pois as 18 dioceses do regional sul 3 estavam ligadas à Arquidiocese de Porto Alegre. A partir de 2011, o Papa Bento XVI, acolhendo as solicitações episcopais gaúchas, constituiu três novas províncias eclesiásticas: Passo Fundo, Pelotas e Santa Maria. A província eclesiástica de Passo Fundo, no norte gaúcho, acolheria como dioceses sufragâneas Erexim, Frederico Westphalen e Vacaria. Criada em 1951, a Diocese de Passo Fundo, torna-se Arquidiocese, em 13 de abril de 2011 e Dom Ercílio Simon (in memória), em 29 de junho de 2011, recebe o distintivo de Arcebispo Metropolitano. Hodiernamente, Dom Rodolfo L. Weber responde pela cátedra.

 A Arquidiocese, pastoralmente, articulava a evangelização e a juventude organizada, protagonizava a preparação e acolhida à peregrinação dos ícones da Jornada Mundial da Juventude (JMJ). Jovens espanhóis, na pré-jornada, visitaram Passo Fundo realizando diversas atividades, sob condução da juventude local na pastoral arquidiocesana. O Santuário Nossa Senhora Aparecida acolheu, pelas mãos juvenis, a Cruz e o Ícone de Nossa Senhora durante o Bote Fé, celebrando o tema “Ide e fazei discípulos entre todas as nações". Formou-se, especialmente para aquele encontro, a Banda Juventus. Jovens musicistas, artistas populares, religiosos (as), padres, grupos de jovens compartilharam talentos e peregrinaram pelas ruas da cidade, a partir do Santuário à Catedral Metropolitana, cantado: “Bote fé na Juventude! Rosto Jovem da Igreja. Construindo com amor!” Um “flash mob” alternativo, sabe?

Naquela semana, houve grande movimentação juvenil e pastoral, através de diversas ações, celebrações e atividades formativas. Os ícones visitaram espaços significativos à evangelização, inclusive, as pessoas privadas de liberdade. “As revoluções da história mudaram os sistemas políticos, econômicos, mas nenhuma delas modificou realmente o coração humano. A verdadeira revolução, que transforma radicalmente a vida, foi Jesus Cristo que a realizou através da sua Ressurreição: a Cruz e a Ressurreição [...]. Um cristão, se não for revolucionário, neste tempo, não é cristão,” disse, naquele 17 de junho, o Papa Francisco; realmente, 2013, foi um ano intenso em relação à juventude.

Francisco visita o Brasil em sua primeira viagem como Sumo Pontífice e na JMJ (23 a 28 de julho) exorta à ação: “queridos jovens, por favor não olheis para o mundo de cima do balcão! Ide ao encontro do mundo! Jesus não ficou em cima do balcão! Ele mergulhou [...]. Mergulhai na vida como Jesus fez [...]. Sei que vocês apostam em algo grande, em escolhas definitivas que deem pleno sentido.”

Que fazer? No pós jornada 2014, é declarado o Ano da Juventude na Arquidiocese de Passo Fundo. Constroem-se réplicas dos ícones da JMJ para o trabalho pastoral e a juventude contribui na elaboração do 22º Caderno de Formação: “Juventude: Anúncio da Boa Nova”, como subsídio formativo e celebrativo. A Pastoral da Juventude, por exemplo, vive o Projeto Missões Jovens e, ademais, articula-se com o Setor Juventude nas atividades arquidiocesanas. Tempo profícuo! À Pastoral da Juventude, no entanto, surge um novo desafio, agora, junto ao Observatório da Juventude (UPF), pois, firma-se o compromisso de evangelizar e promover o protagonismo juvenil gerando vida e garantindo a formação integral da Juventude.

Poder-se-ia, ousar mais? O desejo de acompanhar jovens desafia sempre. Caminhos à pastoral universitária, talvez? Sonhar é preciso, não é verdade? Entre 2014 e 2015 criou-se, junto a Universidade (UPF), um projeto de escuta juvenil. A escuta efetivava-se, semanalmente, através dos chamados “Círculos de Espiritualidade” no oratório do campus universitário, em parceria com a Rede de Educação Notre Dame, o Observatório da Juventude e a Pastoral da Juventude, pela assessoria do Padre Leandro (Eu) e da Irmã Leci Paier. Kairós à vida e à vocação.

A XV Assembleia Geral Ordinária do Sínodo dos Bispos – Os jovens, a Fé e o Discernimento Vocacional – realizada em 2018, evoca à “necessidade de promover um acompanhamento integral” aos jovens (DI-51, n.99). As Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora da Igreja do Brasil (DGAE, 2019 - 2023), em comunhão com o Sínodo dos Bispos, confirma nos encaminhamentos práticos a importância de “considerar uma prioridade pastoral histórica o investimento de tempo, energia e recursos com os jovens” (n. 194) dentro de um caminho que respeite a “pedagogia do processo” (n.204) em uma mística enraizada na espiritualidade cristã.

Agosto 2020, cabe refletir: qual nossa atitude? “Como Jesus agiria hoje? Como podemos saber o que devemos fazer?” São perguntas juvenis no DOCAT. Francisco abre o diálogo, pelo prefácio, dirigindo-se aos jovens: “Caríssimos Jovens!” Recorda o YOUCAT e acrescenta: “gostaria de vos entregar outro livro, o DOCAT, que contém a Doutrina Social da Igreja. No título está escondido o verbo inglês ‘to do’. O DOCAT responde à pergunta ‘como agir?’ [...]. O mundo não pode continuar como está [...]. Foi assim que o DOCAT se tornou uma excelente orientação para a ação cristã.”

Que tal dialogar ações juntos(as)? “A conversa é exercício humano que, por natureza, humaniza” reflete Adriano J. H. Vieira, professor e Doutor em Educação, no livro “Educador/a? Presente!” (2016, p.50). Na conturbada realidade contemporânea, amados(as) jovens, recordai a exortação do Papa Francisco, quando esteve conosco por ocasião da JMJ no Rio, em 2013: “Sede uma juventude alegre!” Hoje, muito mais que cantar, reverbero à ação, pois, boto fé na juventude e desejo caminhar junto, construindo a Civilização do Amor!  

Padre Leandro de Mello - @padreleojuventude

Passo Fundo, 18 08 2020

 

Leia Também É perigoso dizer SIM! Livro do Deuteronômio: abre a tua mão para o teu irmão (Dt 15,11) O palhaço do fogo do circo RABISCOS SEMANAIS: Caminhar juntos(as)!