Segundo ano sem horário de verão divide opiniões dos brasileiros

Compartilhe
DIVULGAÇÃO   DIVULGAÇÃO 

O Ministério de Minas e Energia (MME) manteve neste ano a recomendação de não se adotar o horário de verão (período de 2020/2021). O horário foi extinto em abril do ano passado, com base em estudos da pasta, que apontaram a pouca efetividade na economia energética, e também em estudos da área da saúde, sobre o quanto o horário de verão afeta o relógio biológico das pessoas.

Quando foi criado, o horário de verão tinha por objetivo aliviar o pico de consumo, que era em torno das 18h, e trazer economia de energia na medida em que a iluminação solar era aproveitada por mais tempo. No entanto, nos últimos anos, o Ministério de Minas e Energia constatou uma alteração no horário de pico com maior consumo de energia no período da tarde, por causa da intensificação do uso do ar condicionado, quando o horário de verão não tinha influência.

O horário de verão foi implementado pela primeira vez no Brasil com o Decreto de Lei nº 20.466, de 1º de outubro de 1931 e decretava o adiantamento dos relógios em todo o território do país, porém, em vários anos ele não foi realizado. 

Desde 1985 até 2018 a medida foi adotada todos os anos seguidos.

Em 2018, o horário de verão aconteceu mais tarde do que o comum, por conta das eleições.

As opiniões dos brasileiros se dividem entre o apreciar de um dia ''mais longo'', e a aprovação da medida do presidente Jair Bolsonaro que determinou o fim deste horário.

Leia Também Cucas serão vendidas na Paróquia Santa Teresinha neste sábado Pelo Brasil: candidato a vereador é preso com dinheiro na cueca Exportação é estratégia para buscar mais estabilidade no mercado, afirma consultor Rede de Farmácias São João inaugura filial em prédio histórico na cidade de Garibaldi