A oração sincera

Postado por: Adalíbio Barth

Compartilhe

Na vida de São Francisco de Assis, narra-se um fato que fez os frades refletirem muito sobre o modo de rezar e o sentido da oração. Foi durante a reza do terço.

Reunidos, os frades ouviram atentamente as motivações para a oração, os mistérios a serem meditados, o sentido cristocêntrico da oração do terço e sua dimensão contemplativa. No final, Francisco recomendou: Após cada oração do Pai Nosso e das Ave-Marias, deveriam colocar uma pedrinha no capuz do hábito. Para isso não havia dificuldades, pois as pedras eram abundantes no chão, por onde andariam.

E todos saíram a caminhar individualmente pela vasta área do convento.

Passado algum tempo, veio ter com Francisco um jovem frei, apressadinho e exausto:

- Pai Francisco! Não consigo mais andar!

- O que houve? - perguntou o santo.

- Meu capuz já está cheio e muito pesado – respondeu, na esperança de ser dispensado dessa tarefa do dia. - E o senhor, como consegue?

- Francisco respondeu: Eu não tenho nenhum problema. Ainda não coloquei nenhuma pedrinha, pois estou recém rezando o primeiro Pai-Nosso.

A força da oração não provém da quantidade de palavras proferidas, mas da qualidade de sua interiorização. O pensamento voltado para o Deus Todo-Poderoso, faz reconhecer a pequenez da pessoa humana e sua fragilidade. A oração faz reconhecer nossa vida, como graça divina.

Leia Também A porta misteriosa RABISCOS SEMANAIS: “Se vocês se calarem, as pedras gritarão!” Novembro Azul: a importância do autocuidado Celebrar o dia da Consciência Negra: uma necessidade política