UTI Neonatal do HSVP adere ao Projeto COALA

Compartilhe

Não somos capazes de mensurar a angústia e preocupação que os pais e familiares de bebês prematuros passam durante os dias que eles permanecem nas incubadoras. Cada grama conquistada é um vitória e uma emoção diferente. Cada pequeno que passa pela Unidade de Tratamento Intensivo - UTI Neonatal luta contra ele mesmo para crescer e se desenvolver fora do aconchego do útero materno, necessitando assim, de cuidados especiais por parte das equipes hospitalares.

Por partilhar dessas angústias e dessas batalhas o Hospital São Vicente de Paulo (HSVP) de Passo Fundo, busca sempre oferecer o melhor e mais seguro cuidado aos prematuros, por isso, aderiu no mês da conscientização sobre a prematuridade, o Projeto COALA, abreviação para “Controlando Oxigênio Alvo Ativamente”, que passou a fazer parte das ações do Novembro Roxo. O Projeto foi criado pelo Instituto Fernandes Figueira, ligado à Fundação Fiocruz, e tem como objetivo otimizar o uso de oxigenioterapia suplementar durante hospitalização do recém-nascido prematuro extremo, a partir da mobilização e treinamentos de uma equipe multidisciplinar. 


A iniciativa se baseia em estudos feitos em conjunto por Estados Unidos, Canadá e Austrália, que revelaram a existência de uma saturação ideal de oxigênio para bebês prematuros extremos, que é de 91 a 95%, diferentemente de outros bebês, crianças e adultos, e isso pode evitar complicações. Nesses estudos também se descobriu que quando o bebê prematuro recebe mais oxigênio que a quantidade ideal ele pode sofrer sequelas como cegueira, descolamento de retina, lesões no cérebro e doenças pulmonares. Já, quando recebe uma quantidade inferior, pode ter uma infecção que leva à necrose intestinal e por fim levar a perda do bebê.

O projeto é realizado em três fases. A primeira é a disseminação para a equipe e confecção de cartazes que serão anexados aos monitores com informações quanto ao oxigênio. A segunda fase é a que a equipe multidisciplinar entra em um consenso quanto aos pacientes que devem aderir ao projeto. E a terceira é quando os alarmes são ajustados em 88 – 95%, conforme consta nas plaquinhas. Desta forma, é muito importante manter a faixa de saturação, pois muito oxigênio é tóxico e pouco contribui para o aumento da mortalidade.

Com a adesão, os bebês prematuros ganham uma maior qualidade de vida, pois contarão com uma equipe ainda mais qualificada para auxiliar no seu desenvolvimento e assim conquistar mais vitórias.

 

Novembro Roxo: Juntos pelos prematuros cuidando do futuro

O mês de novembro é voltado a sensibilização para a prematuridade, mais especificamente no dia 17,  quando é comemorado o Dia Mundial da Prematuridade, inúmeras campanhas acontecem ao redor do mundo para chamar atenção para essa causa tão delicada. A Associação Brasileira de Pais, Familiares, Amigos e Cuidadores de Bebês Prematuros, a Prematuridade, única Instituição do País de apoio aos bebês prematuros e seus familiares conduzem as ações do Novembro Roxo e adotaram o slogan “juntos pelos prematuros cuidando do futuro”.

Durante todo mês, serão realizadas uma série de atividades com foco em informação, educação e acolhimento. Os trabalhos envolvem e beneficiam as famílias com bebês prematuros, os profissionais de saúde, instituições e parceiros interessados, além de autoridades e personalidades envolvidas de alguma forma com o tema. 

Fotos: Treinamento in loco foi realizado para a equipe assistencial (Foto Assessoria de Imprensa HSVP/Caroline Silvestro


Leia Também Curso Técnico em Enfermagem do HSVP está com inscrições abertas Após nascer prematuro, pequeno guerreiro Luiz Felipe recebe alta da CTI Neonatal do HSVP Passo Fundo registra cerca de 100 novos casos de AIDS por ano Residência em Dermatologia HSVP/UFFS é referência no interior do estado