Seguranças de supermercado espancam homem negro até a morte em Porto Alegre

Compartilhe
Um homem negro identificado por testemunhas como João Alberto Silveira Freitas, de 40 anos, foi espancado até a morte após uma briga na porta do supermercado Carrefour, no bairro Passo d’Areia, em Porto Alegre (RS). 
De acordo com informações preliminares, ele havia discutido com dois seguranças do estabelecimento antes da briga começar. Segundo a Brigada Militar, a confusão teria iniciado no caixa do supermercado, envolvendo o homem e uma funcionária. A vítima teria ameaçado agredir a mulher, que chamou os seguranças.
Os dois funcionários teriam encaminhado João Alberto Silveira Freitas para fora do estabelecimento e é aí que as histórias começam a divergir. A Brigada Militar afirma que a briga se deu porque o homem não aceitou ser removido do local, mas testemunhas afirmam que os dois seguranças seguiram João Alberto dentro do estabelecimento e o agrediram na saída.
Um dos seguranças é um PM temporário, de acordo com imagens captadas pelo delegado responsável pela investigação.

Os dois funcionários teriam encaminhado João Alberto Silveira Freitas para fora do estabelecimento e é aí que as histórias começam a divergir. A Brigada Militar afirma que a briga se deu porque o homem não aceitou ser removido do local, mas testemunhas afirmam que os dois seguranças seguiram João Alberto dentro do estabelecimento e o agrediram na saída.

“No momento, ainda não podemos determinar o que de fato ocorreu. Não encontramos nenhum armamento no local. Agora, vamos ouvir todos os envolvidos e ver o que está nas câmeras para saber o que exatamente aconteceu”, afirmou o delegado Leandro Bodoia.


CARREFOUR DIVULGOU NOTA A RESPEITO


Fonte: Yahoo
Foto: Divulgação

Leia Também Ônibus com funcionários da JBS se envolve em acidente no Centro de Passo Fundo Carreta carregada com mais de 30 mil kg de cerveja tomba em Passo Fundo Polícia descobre gráfica clandestina de cédulas e apreende R$ 70 mil em notas falsas em SC Incêndio no Bairro Integração pode ter sido criminoso