Defensoria Pública do RS pede que Carrefour pague indenização de R$ 200 milhões por morte de João Alberto

Compartilhe
Foto: Divulgação / Arquivo Pessoal   Foto: Divulgação / Arquivo Pessoal 

A Defensoria Pública do RS ingressou com uma ação coletiva nesta quarta-feira (25) contra a rede Carrefour e Grupo Vector Segurança Patrimonial pela morte de João Alberto Silveira Freitas, em Porto Alegre (RS).

Entre outras coisas, a ação pede indenização no valor de R$ 200 milhões de reais para a rede Carrefour por danos morais coletivos e sociais. O valor, ao fim do processo, deverá ser destinado a fundos de combate a discriminação, defesa do consumidor, etc. A Defensoria Pública pede ainda a interdição da unidade onde ocorreu o episódio por cinco dias, com o objetivo de diminuir os riscos de possíveis atos hostis que poderão ocorrer em decorrência de manifestações.

Além disso, pede que a rede Carrefour crie em Porto Alegre, em 10 dias, um plano de combate ao racismo e tratamento discriminatório voltado para funcionários. No mesmo sentido, também solicita a adoção de campanhas de conscientização em redes sociais e mídia em geral. Determina ainda a afixação de ao menos 10 cartazes, em cada unidade da rede Carrefour no Brasil, destacando que discriminação é crime e que conste no material o telefone “disque 100”, para fins de denúncias.

A Instituição pede ainda que os réus custeiem o aparelhamento material da Delegacia de Polícia de Combate à Intolerância (DPCI), anunciada recentemente pelo Governo do Estado. Também exige que os mesmos paguem os gastos utilizados pela Brigada Militar nas ações que foram realizadas para fazer a segurança nos locais onde ocorreram manifestações, após a morte do senhor João Alberto Silveira Freitas.

A ação se estende também aos três funcionários envolvidos no caso.

Em caso de descumprimento, a multa será de R$ 100 mil reais por dia. A ação foi ajuizada na Vara de Tutelas Coletivas, no Foro Central de Porto Alegre.

Participaram da entrevista o Subdefensor Público Geral para Assuntos Jurídicos, Alexandre Brandão Rodrigues, o Dirigente do Núcleo de Defesa Criminal, Andrey Régis de Melo, a Dirigente do Núcleo de Defesa dos Direitos Humanos, Aline Palermo Guimarães e o Dirigente do Núcleo de Defesa do Consumidor, Rafael Pedro Magagnin. Também estiveram presentes na coletiva o pai e a esposa da vítima, além de Marina Oliveira e Douglas Pereira, do Coletivo Alicerce, Negro e Popular, Arícia Santos e Ana Lúcia Santos, do projeto Sankofa, e Gleidson Dias, do Movimento Negro Unificado.

Foto: Nicole Borges de Carvalho - Ascom DPE/RS 

Fonte: Defensoria/RS

Leia Também Ônibus com funcionários da JBS se envolve em acidente no Centro de Passo Fundo Carreta carregada com mais de 30 mil kg de cerveja tomba em Passo Fundo Polícia descobre gráfica clandestina de cédulas e apreende R$ 70 mil em notas falsas em SC Incêndio no Bairro Integração pode ter sido criminoso