As cortinas começam a se fechar: 2021 vem aí

Postado por: Élvis Mognhon

Compartilhe


 

Em poucos dias estaremos encerrando o ano de 2020. Um ano atípico, com muitas situações adversas, muitas perdas (de vidas, financeiras, profissionais, entre tantas outras). Mas também um ano de muitas reinvenções, novidades e oportunidades. As empresas precisaram se reorganizar, reinventar e reposicionar, exigindo de seus gestores processos ágeis, assertividade e muita ousadia.

Dependendo dos pressupostos de cada um, do conjunto de experiências/vivências de cada pessoa, tendemos olhar para a realidade de forma mais positiva ou negativa. É a história de olhar o copo com água pela metade e definir: o copo está meio cheio ou o copo está meio vazio. A realidade é uma só, porém, as interpretações que fazemos dela, carregam os pressupostos do “Eu”.

O ano de 2021 se aproxima de forma muito veloz. Ele traz consigo grandes expectativas: imunização da população à COVID-19, uma boa safra para os produtores rurais, que as pessoas consigam se recuperar das perdas de 2020, sejam elas afetivas ou materiais. As empresas precisam voltar à produção em escala máxima para dar conta da demanda do mercado e manter os empregos de outrora, quem sabe até com a geração de novos postos de trabalho.

O 2021 oferecerá 365 novas oportunidades para sermos felizes e vivenciarmos novas experiências. Haverão dias cinzentos também, deveremos estar preparados para eles. No entanto, que prevaleçam os bons momentos, os sorrisos largos e os olhares afetuosos. Que possamos nos reencontrar e nos abraçarmos novamente. Que todas as promessas para os reencontros feitas em 2020 sejam cumpridas. Que 2020 tenha conseguido nos tornar pessoas melhores para o nosso próprio bem e o de todas as pessoas que nos circundam.

 

** O leitor poderá enviar sugestões, dúvidas, questionamentos sobre o tema para o e-mail: emognhon@gmail.com Para agendar atendimentos clínicos utilizar o WhatsApp (54) 99983 9966.

 

Leia Também O leão e o pastor Você já ouviu falar da Síndrome de Burnout? Pe. Ivo e Pe. Fernando, gratidão! A convicção e o testemunho da Ressurreição