Então é Natal

Postado por: Élvis Mognhon

Compartilhe


 

“Um clima de sonhos que se espalha no ar, pessoas se olham com brilho no olhar, a gente já sente chegando o Natal, é tempo de amor, todo mundo é igual”. E eis que inicia uma das semanas mais amadas e esperadas do ano. Ela tem um clima diferente. Para a grande maioria das pessoas, Natal é tempo de alegria, de festas, de confraternizar, de família reunida e muitas trocas afetivas.

O clima natalino nos afeta enquanto humanos. As luzes, as cores, as músicas, nos trazem memórias afetivas e muitas lembranças positivas. Algumas pessoas, no entanto, sentem dificuldade com o Natal, especialmente devido a possíveis perdas de entes queridos, acontecimentos trágicos ocorridos na época natalina, traumas, entre outras situações.

Natal é tempo de renascimento, pois ele prenuncia a proximidade do início de um novo ciclo. Aos olhos dos que têm fé, lembra o nascimento do Menino Jesus. A encarnação de Deus entre os homens: "E o Verbo se fez carne e habitou entre nós” (João 1, 14).

O Papai Noel aparece como o bom velhinho que “não esquece de ninguém, seja rico ou seja pobre, o velhinho sempre vem”. O Espírito Natalino reforça nossas virtudes e nos revigora na esperança de uma humanidade mais caridosa e fraterna.

Esse ano, porém, nossas comemorações de Natal serão diferentes. Os abraços e as trocas afetivas serão em grande medida virtuais. Muitos não conseguirão abraçar seus familiares e amigos. Diferentemente de outros anos, em que a Ceia era comemorada conjuntamente ao redor de mesas com a presença física de muitos dos que amamos, nesse ano, a pandemia exigirá cuidados especiais. Estaremos distantes fisicamente de muitos que amamos, mas jamais distantes afetivamente. Desejo para você um Feliz e Abençoado Natal.

 

** O leitor poderá enviar sugestões, dúvidas, questionamentos sobre o tema para o e-mail: emognhon@gmail.com Para agendar atendimentos clínicos utilizar o WhatsApp (54) 99983 9966.


Leia Também O leão e o pastor Você já ouviu falar da Síndrome de Burnout? Pe. Ivo e Pe. Fernando, gratidão! A convicção e o testemunho da Ressurreição