Caminhoneiros preparam greve para fevereiro e mobilização pode ser maior que a de 2018

Compartilhe
Caminhoneiros de todo o Brasil estão organizando greve geral a partir de 01 de fevereiro. O movimento, segundo o presidente da Associação Nacional do Transporte Autônomos do Brasil, José Roberto Stringasci, poderá ser maior do que a realizada em 2018, devido ao grau crescente de insatisfação da categoria, principalmente em relação ao preço do diesel e às promessas não cumpridas após a histórica greve no governo Temer.
A categoria reivindica também o preço mínimo de frete, em projeto que não avançou no Supremo Tribunal Federal.
A greve dos caminhoneiros, prevista para o próximo dia 1º de fevereiro, vem crescendo em adesões e, de acordo com o presidente da Associação Nacional do Transporte Autônomos do Brasil (ANTB), José Roberto Stringasci, poderá ser maior do que a realizada em 2018, devido ao grau crescente de insatisfação da categoria, principalmente em relação ao preço do diesel e às promessas não cumpridas após a histórica greve no governo Temer.

Integrante do Conselho Nacional do Transporte Rodoviário de Cargas (CNTRC), que na semana passada já alertou para a possibilidade de uma paralisação nacional, a ANTB representa cerca de 4,5 mil caminhoneiros, e não vê problema de realizar uma greve em plena pandemia. "A pandemia nunca foi problema.
A categoria trabalhou para cima e para baixo durante a pandemia. Muitos caminhoneiros ficaram com fome na estrada com os restaurantes fechados, mas nunca parou", afirma Stringasci.


Foto: Arquivo Rádio Planalto

Leia Também Madri confirma 3 mortos e 11 feridos após explosão de gás Aeronáutica faz 80 anos e Bolsonaro destaca papel da Força Categoria esclarece na Planalto News: tendência é de não ocorrer greve dos caminhoneiros em fevereiro Cidades do Pará entram em colapso por falta de oxigênio