Anvisa aprova uso emergencial de Coronavac e de Oxford; São Paulo começa a vacinar

Compartilhe
Por unanimidade, os cinco diretores da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovaram o uso emergencial da CoronaVac e da vacina de Oxford contra a covid-19. 

A maioria na direção da agência foi alcançada às 14h54 deste domingo, 17, quando o diretor Alex Machado Campos tornou-se o terceiro a votar favoravelmente à imunização em caráter emergencial com as duas vacinas.

No início da tarde, as três áreas técnicas da Anvisa haviam recomendado a aprovação do uso emergencial. As gerências de Medicamentos, de Monitoramento de Produtos e de Inspeção e Fiscalização Sanitária deram parecer favorável. A recomendação, no entanto, precisava ser submetida à diretoria do órgão.

A primeira diretora a ler o voto foi a relatora do caso, Meiruze Freitas. Ela aprovou o uso emergencial, mas fez ressalvas. Disse esperar que o Instituto Butantan responda, até o fim de fevereiro, sobre os resultados sobre a imunogenicidade (capacidade de produção de anticorpos) da CoronaVac, produzida pelo Butantan em parceria com o laboratório chinês Sinovac.

A relatora destacou não haver alternativa terapêutica às vacinas. A diretora disse ter tomado a decisão com aval da ciência e após trabalho árduo dos técnicos da Anvisa nos últimos dias.

O governo de São Paulo aplicou a primeira dose da CoronaVac na tarde deste domingo (17), contra a Covid-19.

A enfermeira Mônica Calazans, de 54 anos, moradora de Itaquera, na Zona Leste da capital paulista, foi a primeira pessoa, fora dos estudos clínicos, a receber a vacina.



 Foto: Rodrigo Rodrigues/G1

Leia Também Mais quatro óbitos registrados em Passo Fundo em decorrência da Covid-19; total de mortes chega a 300 Novo lote de vacinas CoronaVac será distribuído aos municípios nesta quinta-feira CoronaVac é 83,5% eficaz contra covid-19, diz universidade turca RS receberá quase 175 mil doses de vacina contra a Covid-19 nesta quarta-feira