Palavras admiráveis

Postado por: Dom Rodolfo Luís Weber

Compartilhe

Palavras, palavras, palavras .... Não é fácil, talvez nem possível, distanciar-se da avalanche de palavras que recaem cotidianamente sobre nós. Todos fazemos uso delas e de forma abundante. Existem as palavras sinceras, verdadeiras e potentes dotadas de dinamismo transformador. Outras sinceras, mas superficiais; outras também maldosas, sem consistência de verdade que são produtos de corações mal-intencionados.

Os textos bíblicos do domingo (Dt 18,15-20; Sl 94/95; 1 Cor 7,32-35 e Mc 1,21-28) sublinham que os ensinamentos de Jesus provocam admiração, pois ensinava com autoridade. Também convidam a escutar a voz de Deus e não fechar o coração. Destacando que é mais importante escutar com o coração do que com os ouvidos, para não endurecer o coração, mas deixa-lo pulsar.

É preciso muito discernimento e sabedoria para distinguir as palavras, validando a sua qualidade e procedência. É muito útil filtrá-las para acolher aquelas que nos podem orientar e ter acesso à nossa vida e deixar as outras na margem. Não é fácil. Existem tantas palavras grosseiras, pesadas, ofensivas que podem encontrar acolhida dentro de nós criando divisões, rancores e, até, sede de vingança.

Seria maravilhoso que as palavras más e ofensivas passassem pela tangente da nossa existência, sumissem sem deixar traços. Ao contrário, se faz necessário abrir a porta às palavras que iluminam a mente, estimulam a solidariedade, promovem o bem, criam pontos de simpatia e de familiaridade com os outros.

Entre as palavras eficazes às quais vale a pena abrir a porta, se distingue a Palavra de Deus. Mergulhar nela cotidianamente através da leitura, meditação, oração e contemplação se torna uma estrada segura para transformar nossas palavras e fecundar a vida.

Jesus permanece como o eterno exemplo e o modelo de uma palavra boa e potente. A sua palavra se impõe por si, ilumina a inteligência, cria, aquece o coração e fortalece a vida. Nele se conjuga e harmoniza perfeitamente o falar com o agir. Em várias oportunidades os evangelistas relatam que ensinava, mas não dizem quais eram os ensinamentos. Diante disso, é preciso permanecer com ele e conviver com fizeram os discípulos. Podemos dizer que o conteúdo é a sua própria pessoa. Pode faltar o conteúdo do ensinamento, mas não falta o efeito por ele produzido. São estes que tocam os ouvintes e os fazem reconhecer a autoridade do mestre Jesus.

Os ouvintes, ao mesmo tempo que admiravam as palavras de Jesus, também reconhecem sua autoridade. É uma palavra proferida com lucidez, convicção e pertinência. Ela liberta do mal. Ensina de forma transparente, não tem “segundas intenções”. A Palavra de Deus é assim, direta e clara: amar, perdoar sempre, perdoar inimigos, repartir o pão, justiça, carregar a cruz. Muitas vezes, palavras duras de ouvir, de aceitar e, principalmente serem vividas. Como são Palavras de Deus ditas com autoridade, merecem admiração porque são verdadeiras.

 

Leia Também Você já ouviu falar da Síndrome de Burnout? Pe. Ivo e Pe. Fernando, gratidão! A convicção e o testemunho da Ressurreição Deus sobre uma árvore