RABISCOS SEMANAIS: Alegria Popular!

Postado por: Leandro de Mello

Compartilhe


Dialogar é um convite à alteridade, assim como festejar. No carnaval, brasileiros e brasileiras fazem memória a festa da vida, das cores, da criatividade, das mazelas e críticas sociais; faz-se música, coreografias, foliões e muitas outras experiências marcantes à cultura brasileira, inclusive acolhendo pessoas de outros países para confraternizar. Dom Helder Câmara (in memoriam) certa vez expressou que o carnaval é salutar à vida, pois traduz uma “alegria popular”.

Quando, em 01 de fevereiro de 1975, Dom Helder Câmara, transmitiu uma mensagem à população, através Rádio Olinda AM, disse: “Carnaval é a alegria popular. Direi mesmo, uma das raras alegrias que ainda sobram para a minha gente querida. Peca-se muito no carnaval? Não sei o que pesa mais diante de Deus: se excessos, aqui e ali, cometidos por foliões, ou farisaísmo e falta de caridade por parte de quem se julga melhor e mais santo por não brincar o carnaval. Brinque, meu povo querido! Minha gente queridíssima. É verdade que na quarta-feira a luta recomeça, mas ao menos se pôs um pouco de sonho na realidade dura da vida!” Colocar sonhos à vida!

O carnaval fora cancelado, em 2021, não é verdade? Sim, verdade! Neste ano, por razões sanitárias, cuidado com a saúde pública e a vida, não haverá carnaval como tradicionalmente acontece, porém, há outras formas de celebrar a vida, a alegria, a esperança, cultivar boas amizades e transmitir boas notícias que contagiam corações. Que poderia sugerir? Marcelo Barros, monge beneditino, era amigo e próximo a Dom Helder na missão eclesial e social. Ambos, amigos da juventude desde outrora, e inspiradores de boas notícias para pessoas de boa vontade. Marcelo instiga à festa do diálogo juvenil e à Boa Nova.

Enquanto visitava o hino da campanha da fraternidade ecumênica 2021, recordando o tema "Fraternidade e Diálogo: compromisso de amor" e o lema "Cristo é a nossa paz: do que era dividido, fez uma unidade" (Ef 2,14a), cantava em ritmo festivo: “Venham todos, vocês, venham todos. Reunidos num só coração. De mãos dadas formando a aliança. Confirmados na mesma missão [...]. Venham todos, vocês, meus amigos. Caminhar com o Mestre Jesus. Ele vem revelar a Escritura como fez no caminho à Emaús”. Confesso tentar cantar o hino da fraternidade em ritmo carnavalesco.

Convidar ao diálogo, à fraternidade, à unidade, à paz, em Jesus Cristo, no carnaval, como? Barros, nos sugere uma leitura contemporânea do Evangelho de Marcos, em diálogo ecumênico com jovens brasileiros; inclusive, dois deles, participantes da Arquidiocese de Passo Fundo. Ao introduzir a obra - “Conversa com o Evangelho de Marcos” - Marcelo diz: “A proposta desse livro é um encontro de diálogo [...]. Esse comentário quer ser mais pastoral e mais ligado à vida e às culturas das juventudes de hoje (no plural). [...] Queremos fazer juntos uma leitura do Evangelho que seja fiel à mais profunda tradição cristã e ecumênica” (Barros, 2018). Uma festa da partilha de vida construída em mutirão, quase um folião, compreende? Cantar a alegria da caminhada cristã à luz do diálogo ecumênico e da sagrada escritura. É criatividade literária, tal qual nos recorda a arte, a musicalidade, os carros alegóricos e outros tantos elementos presentes nas festividades populares.

Hoje é carnaval, talvez não nas ruas, foliões e sambódromos, mas no coração que pulsa vida e vibra a alegria do Evangelho. Amanhã é quarta-feira de cinzas e, como disse Dom Câmara: “a luta recomeça”. Portanto, amigo(a) leitor(a), jovem e criança, ancião e adulto ou adolescente, convido-te a cantar a festa da fraternidade, o ritmo do coração pulsante, a boa notícia da Civilização do Amor. “Venham todos, vocês, testemunhas. Construamos a plena unidade no diálogo comprometido com a paz e a fraternidade [...]. Venham jovens, idosos, crianças e vivamos o amor-compromisso. Na partilha, no dom da esperança e na fé que se torna serviço”. A arte, a amizade social e a fraternidade são sinais do amor de Deus no alegre caminhar, neste carnaval ecumênico, plural e inter-religioso, chamado vida!

 

Padre Leandro de Mello - @padreleojuventude. Passo Fundo, 16 02 2021.

 

 

Leia Também Dialogar é um aprendizado A Igreja e o compromisso com a caridade Solidariedade Rabiscos Semanais: Peregrinar a Esperança!