Yes, nós também comemos banana!

Postado por: Dilerman Zanchet

Compartilhe

O ato racista envolvendo o jogador Daniel Alves, antes e recentemente ocorrido com Tinga e com o árbitro Márcio Chagas da Silva, expõe uma ferida oriunda da colonização sul-americana pelos europeus. Não significa, no meu entendimento, que somente europeus sejam racistas. Na verdade, entendo como uma prática deplorável e insustentável para o ser humano. Juntar a banana e comê-la foi uma atitude pensada, planejada e que provavelmente ele já havia ensaiado, caso ocorresse – como ocorreu – com ele. Preconceito não. Estamos no Século XXI. Vivemos com todos os seres cuja pele tem pigmentos. Seja qual for a cor. Yes, we also ate bananas!

Um mundo globalizado, onde em alguns segundos a notícia circula sem pena nem dó, não pode julgar alguém pela cor da pele. Verdade que o racismo não é só praticado por brancos. Entendo que o preconceito racial parte de todas as cores. Muitos negros também são racistas sim. Alguns brancos o são. Não os generalizo. No Brasil a cor da pele define cotas em universidades, em atendimento na fila de algumas lojas, escolas, etc. Não deveria ser assim. Cotas para mostrar a qualidade intelectual de uma pessoa também é racismo. Se o negro for o primeiro colocado em Medicina, em alguma universidade, duvido que não seja chamado. E poderá também fazer alguma campanha: “Ah, nós também podemos”. Precisamos mudar conceitos. A natureza humana, a concepção do ser humano, conforme os Mandamentos de Deus, não contemplam a cor da pele. Para isso, necessitamos mudar alguns conceitos escolares e familiares. É dos núcleos familiar e escolar que nascem os preconceitos e o racismo. Yes, we also ate bananas!

Tenho muitos amigos negros, assim como amigos brancos. Não é pela cor da pele que se escolhe quem vive em nosso coração. Daniel Alves, Tinga, Márcio ou qualquer outro merecem respeito. Os negros merecem respeito. E os brancos merecem respeito. Alguns torcedores brancos, sejam do Esportivo de Bento ou de algum clube europeu, merecem cadeia. Pagar pela ignorância. A grande maioria merece respeito. Porque respeitar, seja branco ou negro, é algo que também vem de berço.

Yes, nós também comemos bananas. Yes, we also ate bananas!

Leia Também 33º Domingo do Tempo Comum. O Enart, de novo! A importância de ter uma recepcionista/secretária preparada em seu consultório. Feito é melhor que perfeito