Yes, nós também comemos banana!

Postado por: Dilerman Zanchet

Compartilhe

O ato racista envolvendo o jogador Daniel Alves, antes e recentemente ocorrido com Tinga e com o árbitro Márcio Chagas da Silva, expõe uma ferida oriunda da colonização sul-americana pelos europeus. Não significa, no meu entendimento, que somente europeus sejam racistas. Na verdade, entendo como uma prática deplorável e insustentável para o ser humano. Juntar a banana e comê-la foi uma atitude pensada, planejada e que provavelmente ele já havia ensaiado, caso ocorresse – como ocorreu – com ele. Preconceito não. Estamos no Século XXI. Vivemos com todos os seres cuja pele tem pigmentos. Seja qual for a cor. Yes, we also ate bananas!

Um mundo globalizado, onde em alguns segundos a notícia circula sem pena nem dó, não pode julgar alguém pela cor da pele. Verdade que o racismo não é só praticado por brancos. Entendo que o preconceito racial parte de todas as cores. Muitos negros também são racistas sim. Alguns brancos o são. Não os generalizo. No Brasil a cor da pele define cotas em universidades, em atendimento na fila de algumas lojas, escolas, etc. Não deveria ser assim. Cotas para mostrar a qualidade intelectual de uma pessoa também é racismo. Se o negro for o primeiro colocado em Medicina, em alguma universidade, duvido que não seja chamado. E poderá também fazer alguma campanha: “Ah, nós também podemos”. Precisamos mudar conceitos. A natureza humana, a concepção do ser humano, conforme os Mandamentos de Deus, não contemplam a cor da pele. Para isso, necessitamos mudar alguns conceitos escolares e familiares. É dos núcleos familiar e escolar que nascem os preconceitos e o racismo. Yes, we also ate bananas!

Tenho muitos amigos negros, assim como amigos brancos. Não é pela cor da pele que se escolhe quem vive em nosso coração. Daniel Alves, Tinga, Márcio ou qualquer outro merecem respeito. Os negros merecem respeito. E os brancos merecem respeito. Alguns torcedores brancos, sejam do Esportivo de Bento ou de algum clube europeu, merecem cadeia. Pagar pela ignorância. A grande maioria merece respeito. Porque respeitar, seja branco ou negro, é algo que também vem de berço.

Yes, nós também comemos bananas. Yes, we also ate bananas!

Leia Também 16º Domingo do Tempo Comum. Teve compaixão Vantagens do Programa Sustentabilidade Ambiental Empresarial Um Fusca com roupa de Jipe