Bandeira Branca

Postado por: Élvis Mognhon

Compartilhe

Vivemos tempos difíceis. Ouvimos e estamos de olho nas bandeiras que semanalmente nos são apresentadas. Elas são de várias cores no mapa do distanciamento controlado proposto pelos governadores: amarela, laranja, vermelha, preta. Esse texto apresenta uma reflexão: repensarmos nossas estratégias e aplicarmos também a bandeira branca, a bandeira da paz.

Desde o início da pandemia temos observado uma série de confrontos que colocam em risco a nossa Nação. Discursos de ódio, pessoas e autoridades fazendo uso indevido da pandemia, seja para fins políticos ou econômicos, falta de empatia e especialmente muita falta de amor no coração. A bandeira branca precisa ser hasteada. Precisamos nos unir enquanto Nação e propormos um novo pacto, pautado pelo amor e a fraternidade.

A ciência sempre se coloca em discussão. Ela coloca tudo em dúvida, a todo momento. O método científico é pautado pela dúvida e reflexão. Quantas descobertas ainda serão feitas em termos científicos? Quantas certezas de hoje serão colocadas em dúvida amanhã. É assim que a ciência avança, produzindo novas verdades, a partir das atuais certezas, contestadas e postas à prova.

A bandeira branca precisa se fazer presente em nossas relações. Não podemos nos dividir em um momento tão crítico com uma situação tão precária. No fundo todos buscamos as mesmas coisas, porém, com visões diferentes da realidade. Ângulos diferentes, prismas diferentes, mas com algo que nos une e associa: somos seres humanos, e enquanto humanos, precisamos, de fato, sermos humanos. Vamos juntos levantarmos a bandeira branca? Vamos juntos propormos um grande pacto de paz à nossa Nação? Por quem e quando começamos? Por nós mesmos, e agora, pois amanhã poderá ser tarde demais.

 

 

** O leitor poderá enviar sugestões, dúvidas, questionamentos sobre o tema para o e-mail: emognhon@gmail.com Para agendar atendimentos clínicos utilizar o WhatsApp (54) 99983 9966.

 

Leia Também Você já ouviu falar da Síndrome de Burnout? Pe. Ivo e Pe. Fernando, gratidão! A convicção e o testemunho da Ressurreição Deus sobre uma árvore