A grandeza do povo e a Copa

Postado por: Neuro Zambam

Compartilhe

O BRASIL É MAIOR DO QUE NOSSAS AMBIÇÕES PESSOAIS E DA COPA DO MUNDO

Algumas vezes somos desafiados a ter ânimo quando o entorno parece conspirar.

Os brasileiros estão sendo bombardeados pela organização da Copa do Mundo e tem-se a impressão que todas as preocupações do Brasil se resumem a menos de 30 dias de festividades, espetáculos e altas cifras comerciais.

No mundo pouquíssimas pessoas têm condições de girar para curtir grandes espetáculos e gastar dinheiro como se fosse um suco de final de semana, um refrigerante ou uma festa de noite.

Não se trata de ser contra a Copa do Mundo. Isso seria uma ingenuidade. Afinal os grandes espetáculos ocorriam na antiguidade e se reverberam nas diferentes épocas conforme os interesses e ambições das pessoas e grupos.

Reduzir as demandas cada vez mais impressionantes do Brasil e do seu povo a um espetáculo, isso é, sim, ingenuidade e falta de perspectiva.

As eleições, os desafios da pesquisa e da educação, as políticas sociais que ainda não representam a desconcentração de renda, a crise econômica visível com os sinais de volta da inflação, os desafios da segurança, tanto interna quanto externa, e outras situações complicadas impactam no dia a dia da nossa vida.

Para o nosso cotidiano valem as máximas do desenvolvimento e a boa convivência humana. Trabalhar é missão de todos, cumprir horários é dever de todos, direitos devem ser exercidos e os ganhos devem ser dignos e contribuir para a realização humana e o desenvolvimento sustentável.

Mais trabalho, mais idealismo, menos acomodação e compromisso com o Brasil resolvem a maioria das nossas inseguranças e vícios.

Quem cumpre as pequenas obrigações, alcança grandes honras.

Quem muito valoriza os espetáculos e vive em torno deles esquece que é um normal.

Menos Copa do Mundo e mais Brasil.

O Brasil é maior do que a Copa do Mundo e as ambições individuais.   

Leia Também Pedro Almeida, um secretário além de seu tempo “Contra a força, não há resistência”. Se não há paixão, não há sucesso Trabalho: chave da questão social