Câmara de Vereadores concede honraria à Romaria e Festa de São Miguel

Compartilhe

Em Sessão Solene realizada no Plenário Sete de Agosto, da Câmara Municipal, o Parlamento conferiu reconhecimento à Romaria e Festa em honra a São Miguel Arcanjo com a entrega da placa de Honra ao Mérito na noite dessa quarta-feira (15). A solenidade foi solicitada via Requerimento pelo vereador Rodinei Candeia (PSL), em virtude dos 150 anos da realização do evento.

A cerimônia foi realizada mantendo as ações preventivas de segurança sanitária, com a obrigatoriedade do uso de máscara e álcool gel, e o distanciamento social, com a presença de público restrito. Essa Sessão Solene contou com a presença do vice-prefeito de Passo Fundo, João Pedro Nunes e da secretária municipal de Cultura do Município, Miriê Tedesco, representando o Executivo. Também, representando a Arquidiocese de Passo Fundo, o padre Carlos Jaroceski. A solenidade também contou com a participação do representante da família Isaías, que deu início à Romaria, sr. Odorico Ribeiro.

No início da Sessão, foi ressaltado um aspecto presente na justificativa do Requerimento, que trata de a Romaria a São Miguel ser considerada uma das mais antigas a ser realizada no Rio Grande do Sul. Também foi salientada a aprovação de projeto que a declara como bem integrante do Patrimônio Cultural Imaterial do Município de Passo Fundo.

A vice-presidente da Câmara, vereadora Janaína Portella (MDB), comandou a solenidade e destacou a importância da honraria que o Legislativo concedeu à Romaria. “Essa oportunidade serve para que possamos referendar a honraria à Romaria de São Miguel por sua história e cultura, e a importância do movimento de fé mantido pela comunidade durante esses 150 anos”, pontuou.

Em seu espaço na tribuna, o proponente da homenagem, vereador Rodinei, reforçou que a Romaria e Festa de São Miguel passou a ser considerada Patrimônio Cultural Imaterial de Passo Fundo, após aprovação de proposição de sua autoria, frisando sua relevância cultural, religiosa e social. “Há 150 anos esta manifestação de devoção e alegria se realiza em nossa cidade, sendo uma das duas festas religiosas mais antigas do Estado, junto com a de Nossa Senhora dos Navegantes. É um destacado patrimônio cultural imaterial, que forma um conjunto com o patrimônio cultural material formado pela capela, já tombada como bem histórico do município em 1991, e a estátua missioneira de São Miguel Arcanjo, que não apenas orna o espaço, mas é elemento chave desta rica manifestação cultural e religiosa da história gaúcha e da história dos bravos negros que formaram o nosso povo”, enalteceu.

Rodinei ainda fez um resumo sobre as origens da romaria, salientando seu viés religioso e sua representatividade cultural e social. “A festa e a procissão têm a marca na oralidade na sua transmissão, sendo que somente muitas décadas depois de iniciada os registros escritos passaram a trazer elementos dessa narrativa, que é um legado de fé, de coragem e de superação. Não por acaso, são as mesmas características atribuídas ao Arcanjo São Miguel pela tradição religiosa judaica, cristã e islâmica”, observou.

Ao final de sua fala na tribuna, após enfatizar a importância da família Isaías na perpetuação da Romaria, o vereador resumiu o intuito do reconhecimento ao evento. “São 15 décadas de história da Romaria e Festa que contemplam mudanças na programação, na estrutura da romaria, na vinculação religiosa institucional, nas formas de sociabilidade, nas demandas e relações de fé ao santo guerreiro, que constituem um bem significativo para a comunidade local e regional, abrangendo variadas classes sociais, grupos, num maravilhoso sincretismo religioso que muito bem representa o nosso país. O que move a festa é a fé de que São Miguel defenderá e protegerá contra a insegurança, as tensões e conflitos, os problemas de saúde, os desafios cotidianos e a salvação eterna”, concluiu.

O padre Carlos Jaroceski, antigo pároco da Paróquia São Vicente de Paulo, também foi à tribuna. Ele sublinhou a importância em manter as raízes da romaria e cuidar da festa de forma a que siga cada vez mais forte junto à comunidade. Mencionou a família Isaías reforçando o seu papel no início e consolidação da Romaria. Ele também sintetizou a representação do evento junto à população. “A Romaria de São Miguel pertence ao povo. Tivemos a alegria de contar com o reconhecimento do Poder Público. A Romaria é diferenciada por ir além da esfera religiosa. Essa homenagem é muito significativa para toda a comunidade, muito além da Igreja Católica, mas para o povo simples o povo negro, o povo mais humilde”, pontuou.

Com a entrega da placa realizada, concretizando o reconhecimento, Odorico Ribeiro, representante da família Isaías, fez uso da tribuna. Ele agradeceu ao Legislativo pela honraria concedida e ratificou a honra de representar uma história de dois negros que lutaram na guerra e voltaram superando a descrença de não voltarem. Ele lembrou que muitos negros e escravos foram lutar com esperança de voltarem vivos e serem libertados, mas que não puderam realizar seus sonhos. Ele confessou estar emocionado com a oportunidade, citando parentes como Almerinda de Jesus Isaías, sua avó, e sua mãe, Djanira Isaías Ribeiro, que fundou o Grupo Alforria, e foi figura representativa para a cultura local. Ele ainda sublinhou que a história de São Miguel é uma pequena parte da história do Rio Grande do Sul e do povo negro e resumiu o que a celebração significa. “Generoso e Isaías foram abençoados por São Miguel por acharem essa imagem. Eles a encontraram e há 150 anos existe devoção de pobres, de oprimidos e pessoas da sociedade, que aprenderam a ter fé em São Miguel. Em nome da Família Isaías e de meus antepassados, e dos futuros, agradeço a todos e à comunidade do Boqueirão pela homenagem”, afirmou.

Momento Cultural

Após a entrega da placa de Honra ao Mérito feita pelos parlamentares, foi realizado o Momento Cultural. A atração ficou por conta do grupo Alforria à São Miguel, que interpretou as canções “Chafariz da Mãe Preta”, “Siyahamba” e “Canção para São Miguel”.

Romaria a São Miguel Arcanjo

Segundo registros históricos documentados por Francisco Antonino Xavier e Oliveira, Generoso e Isaias eram pai e filho empregados de Bernardo Castanho da Rocha no templo rural de São Miguel, localizado próximo ao Rio Pinheiro Torto. Os dois lutaram na Guerra do Paraguai e Generoso teve a perna amputada devido aos ferimentos graves sofridos.

Ao retornar da guerra, ao passar pelas imediações das ruínas da Redução Jesuítica de São Miguel, encontraram à beira de uma lagoa uma estátua abandonada de São Miguel Arcanjo. Eles conseguiram uma carreta com a vizinhança local, trouxeram a imagem para a localidade então chamada “Pinheiro Torto”, em Passo Fundo.

Como capataz da fazenda de Bernardo, Generoso saía pelas vizinhanças aos sábados e domingos para arrecadar donativos para construção da capela, que foi construída com paredes de pau-a-pique e coberta de capim. Nela foi realizada a primeira festa de São Miguel, em 1871. No dia 29 de setembro de cada ano, desde então, os festejos são realizados atraindo milhares de romeiros para a celebração de nossos costumes religiosos. Os descendentes da Família Isaías participam até hoje das celebrações, junto com o grupo Alforria a São Miguel.



Fotos: Comunicação Digital / CMPF

 

Leia Também Equipe do Sínodo da Arquidiocese de Passo Fundo realiza primeira reunião Arcebispo Dom Rodolfo envia mensagem para início do caminho sinodal Em dia que marca seu nascimento, CNBB divulga vídeo que destaca marcos da sua trajetória a serviço da Igreja no Brasil Papa abre caminho à beatificação de João Paulo I