Um Natal com Jesus

Postado por: Ari Antônio dos Reis

Compartilhe


Ele nasce esperança!

 

A expressão Natal é oriunda do termo latino natalis que significa nascer. Reporta também ao verbo nascor do qual derivam as expressões nascer, nascimento, nascituro, natividade. Para a humanidade é a vida que se renova. Cada criança que vem ao mundo é motivo de grande alegria sobretudo em tempos de vida ameaçada. O livro do Êxodo relata a teimosia do povo hebreu em lutar pela vida. Diante da opressão egípcia teimavam em viver. Segundo o texto “quanto mais oprimiam o povo mais ele crescia e se multiplicava” (cf. Ex 1,12). Diante da vida ameaçada, uma nova vida significa a renovação da esperança e um novo horizonte que se abre.

A celebração do dia 25 de dezembro remete ao evento fundamental da tradição cristã já previsto pelo profeta Isaías (cf. Is 9,5) e considerado a realização plena das promessas de Deus. Jesus nasce e isto significa a festa de luz para a humanidade, porque confirma a consolação que vem do alto para todas as pessoas.

O nascimento do menino Jesus na cidade de Belém (cf. Lc 2, 6-7) deu um significado especial para trajetória humana. Expressa a decisão de Deus encarnar-se na história fazendo dessa a história da salvação. Em cada Natal celebra-se este mistério.  A humanidade celebra a festa da encarnação de Deus (Jo 1,1) que agiu para tirar a humanidade das trevas e conduzir à luz (cf. Is 9,1), fazendo-se humano em nome do seu amor pela humanidade (cf. Fl 2,7).

 A celebração natalina, devido a sua importância, compreende um tempo de preparação que acontece nas quatro semanas do Advento, quando os cristãos são motivados à renovação da esperança, porque o Senhor vem para levar todos ao caminho da salvação como expressa a canção: ele nasce esperança, traz libertação, ensina o caminho ao Pai e ao irmão. Aquele que vem convida a humanidade para a espera esperançosa também convida à preparação sóbria e atenciosa porque o próprio Senhor nos dá alegria de entrarmos agora no mistério do seu Natal, para que sua chegada nos encontre vigilantes na oração e celebrando os seus louvores (cf. Missal Romano p. 408).

A festa de Natal espalhou-se pelos diferentes povos e é celebrada em interação com as diferentes culturas, o que expressa a universalidade do projeto salvador de Deus. Contudo, existe risco de o Natal perder a sua essência por uma ressignificação da data sem a centralidade de Jesus e as consequências do seu nascimento para a humanidade. É compromisso profético devolver o Natal para Jesus e, neste gesto, a humanidade também estará voltando para Jesus.

Os outros personagens natalinos têm uma importância relativa diante do menino que veio ao mundo na pequena gruta de Belém.  Ele rompeu todas as barreiras para se fazer presente junto à humanidade. Ele veio ao encontro dos homens e mulheres e abre-se a cada pessoa humana que se dispõe a acolhê-lo na fé. A beleza das obras humanas não se compara a beleza do gesto do Filho de Deus, o verbo encarnado, a manifestação plena do amor de Deus.

Neste tempo de preparação é necessário contemplarmos os sinais daquele que vem. Será possível criando as condições para esta contemplação: no presépio que vai sendo construído aos poucos e que permite rezar a missão de cada personagem da obra salvadora; nas famílias que rezam a preparação para o Natal sabendo que a celebração é muito mais que um encontro para comer, beber e trocar presentes; nas orações em grupos de famílias, enfocando a preparação comunitária para a vinda do salvador; na participação na celebração eucarística que vai criando o clima comunitário para a festa da luz; na oração e meditação pessoal que vai ajudando a pessoa a compreender a graça que significa acolher o dom de Deus presente no menino de Nazaré.

Estas iniciativas permitem que o Natal enquanto memória esteja centralizado em Jesus.  O natal com Jesus se reveste de alegria genuína e esperança renovada, porque está assentado naquilo que é o seu sentido mais profundo, a manifestação do bem querer de Deus por toda a humanidade ao ponto de se fazer humano.

Pe. Ari Antonio dos Reis

.

 

Leia Também Quais os caminhos da Direita e da Esquerda? Uma cidade Encantadora!? As Festas de Final de Ano e os Traumas Os precursores