É tempo de...

Postado por: Dom Rodolfo Luís Weber

Compartilhe


            O tempo, no cristianismo, tem uma importância fundamental. Nele acontecem todos os eventos da vida pessoal, da história da salvação, as celebrações religiosas e os fatos de sociedade e do mundo. Tudo o que acontece é único, não se repete, mas fica gravado na memória e no corpo. Ao mesmo tempo que os fatos ocorridos, agora façam parte do passado, eles permanecem como vivências prazerosas ou doloridas, referências de confirmação de ações ou mudanças de rumos.

            Os seres humanos têm consciência, isto é, ciência, conhecimento dos seus atos. Não se faz necessário que alguém de fora repita o que aconteceu. Consciência e a capacidade para trazer ao presente o passado, refletir sobre ele, reviver alegrias ou dores, fazer discernimento e emitir juízos. O final do ano cronológico naturalmente provoca um olhar retrospectivo. Quantas vezes se escuta dizer que “mais um ano se passou e como passou rápido”. A constatação é salutar e provocativa. Desencadeia um processo e alerta que os dias não podem ser vividos de forma rotineira, automatizada.

            Cada pessoa, cada instituição, cada nação faz a leitura própria do ano de 2021. A duração cronológica foi igual para todos. Quando tratamos o ano de 2021 no sentido de duração, de vivência ou no sentido religioso como kairós, ele não pode ser uniformizado. Por isso, todas as conclusões sobre um período histórico, sobre vivências requerem muita humildade e sinceridade para respeitar os personagens envolvidos.

            O sentimento de gratidão sempre deve ser cultivado. Não tem contraindicações.  Reconhecer os benefícios recebidos e alegrar-se com o que aconteceu. Vivemos e realizamos as nossas atividades com os outros e para os outros. Para vivermos precisamos dos outros com suas qualidades, capacidades humanas e profissionais. Estas pessoas merecem o reconhecimento e a gratidão, a começar pela simples presença passando pela colaboração nos trabalhos.  

Reconhecer e agradecer as bênçãos de Deus que se manifestam de múltiplas formas. Em primeiro lugar, a mãe terra que nos acolheu e nos encanta com sua beleza de seres, cores e oferece todos os meios para conservar a vida. Agradecer aos sábios ensinamentos dos textos sagrados que constantemente educam, iluminam o caminho e consolam. Agradecer a Igreja ou comunidade religiosa que se reúne para cultivar laços de fé e obras de caridade.

            Também é tempo de olhar para frente. Assim como é necessário olhar para trás para valorizar as memórias e as marcas no corpo, do mesmo modo se faz necessário levantar a cabeça, fazer planos, alimentar desejos, rever ou propor prioridades, sejam elas pessoais ou familiares.  Também não pode faltar espaço para sonhar com a humanidade. Quais são as grandes mudanças que devem ocorrer e como efetivamente vou colaborar para que elas se tornem realidade?

            Para os cristãos a vida é missão. Isto é, todos temos uma tarefa insubstituível neste mundo, todos somos necessários e importantes. Isto é válido em qualquer idade e em qualquer condição de saúde. Temos o exemplo de pessoas com doenças graves ou deficiência e vivem de modo propositivo. O Papa Francisco nos provoca com uma pergunta: “Será que depois de eu ter passado por este mundo ele será melhor do que quando nele entrei”?

            Deus te abençoe, te guarde e te dê a sua paz todos os dias de 2022!

 

Leia Também O Senhor está próximo És tu o Messias esperado? OS TRÊS OPERÁRIOS RABISCOS SEMANAIS: Rosto de Emanuel!