Covid-19: mulher de Cruz Alta é a primeira brasileira diagnosticada com Deltacron no Brasil

Compartilhe

A Secretaria Estadual da Saúde (SES) do Rio Grande do Sul confirmou, nesse sábado,16, o primeiro caso de recombinação entre as variantes Delta e Ômicron do coronavírus. A paciente, uma moradora de Cruz Alta, contraiu duas cepas diferentes do vírus em fevereiro. Este também é a primeira ocorrência confirmada do tipo no Brasil.

Isso porque, em março, o ministro da Saúde Marcelo Queiroga recuou após afirmar que dois casos do tipo haviam ocorrido no Norte do país. Na prática, o encontro de linhagens diferentes do vírus resulta em troca de material genético. A “Deltacron”, como é chamada, está na lista de monitoramento da Organização Mundial da Saúde (OMS).

A paciente em questão não tinha histórico de viagem. “Seguimos monitorando pois não é possível afirmar se esta combinação é mais transmissível ou os efeitos causados, mas é importante reforçar a importância de hábitos de higienização”, explica a diretora do Centro Estadual de Vigilância em Saúde (CEVS), Cynthia Molina Bastos.

A Deltacron surgiu pela primeira vez na Europa, com casos na França, Holanda e Dinamarca. Ela é estudada há pelo menos um mês por cientistas de todo o mundo. Até o momento, a recombinação não é considerada como fator de preocupação em relação à novas ondas da Covid-19 e, tampouco, ampliação das restrições.


Fonte: Rádio Guaíba

Leia Também Passo Fundo fará vacinação neste sábado Governo intensifica monitoramento da covid-19 após identificação de duas subvariantes com alta possibilidade de transmissão Vacinação contra a Covid-19 será aberta para todas as crianças de seis meses a três anos incompletos Contra lockdown, chineses destroem centro de testagem e viram carro de polícia em Guangzhou