Vamos falar sobre o trânsito?

Postado por: Élvis Mognhon

Compartilhe


 

Estamos no mês de maio e precisamos falar sobre o trânsito. As campanhas do “Maio Amarelo” têm gerado números muito positivos, conscientizando a sociedade da importância de um trânsito mais consciente e seguro. Mas ainda temos um longo caminho a percorrer.

Os dados sobre mortes no trânsito apontam uma redução de 30% na última década. As campanhas de conscientização para um trânsito mais seguro têm um papel muito importante nessa redução. A meta é chegarmos a 50% de redução de mortes no trânsito até 2030. Se todos fizermos a nossa parte, vamos alcançar e superarmos essa meta.

Muitas mortes violentas no trânsito são diferentes formas de suicídio. Os profissionais de saúde mental estão sempre muito atentos a esse fator e o tema é sempre levado muito a sério, especialmente quando o profissional escuta no atendimento que há ideação suicida no paciente. Há sempre a preocupação em salvaguardar a vida, no entanto, isso nem sempre é possível. Os familiares de alguém que cometeu suicídio sabem bem dessa dificuldade.

Cada vez mais a sociedade tem discutido estratégias para um trânsito mais seguro. As Escolas têm desempenhado um papel muito importante nesse processo. O Código de Trânsito Brasileiro é um dos mais modernos do mundo, mas ainda precisa ser interiorizado e vivenciado pelas pessoas.

Que possamos tornar o nosso trânsito um espaço melhor, de convivência harmônica em sociedade, não fazendo das nossas ruas, avenidas e estradas, espaços de disputa e demonstração de poder. Vamos nos preocupar mais com os outros, especialmente com os pedestres, com as crianças e idosos. Sejamos mais educados e gentis. Façamos uso da direção defensiva e da empatia no trânsito, pois a vida de todos importa.

 

** O leitor poderá enviar sugestões, dúvidas, questionamentos sobre o tema para o e-mail: emognhon@gmail.com Para agendar atendimentos clínicos utilizar o WhatsApp (54) 99983 9966.

Leia Também Quais os caminhos da Direita e da Esquerda? Uma cidade Encantadora!? As Festas de Final de Ano e os Traumas Os precursores