Cientistas descobrem enzima que identifica risco de morte súbita de bebês

Compartilhe

Uma equipe de pesquisadores australianos identificou um marcador bioquímico no sangue que pode ajudar a identificar bebês recém-nascidos que correm o risco de Síndrome de Morte Súbita Infantil (SMSI), descoberta importante que, segundo eles, cria um caminho para intervenções futuras que podem evitar tragédias.

No estudo, bebês que morreram de SMSI tinham níveis menores de uma enzima chamada Butirilcolinesterase (BChE) pouco depois do nascimento, disseram os pesquisadores. A BChE atua na via de estímulo ao cérebro, e baixos níveis reduziriam a capacidade de um bebê dormindo acordar ou responder ao ambiente.

As descobertas mudam o panorama e não oferecem apenas esperanças para o futuro, mas também respostas para passado, disse a líder do estudo, Carmel Harrington, do Hospital Infantil de Westmead, na Austrália, em um comunicado.

Usando manchas de sangue seco coletadas no nascimento, dentro de um programa de triagem neonatal, a equipe de Harrington comparou níveis de BChE em 26 bebês que posteriormente morreram de SMSI, 41 que morreram de outras causas e 655 que sobreviveram.

A SMSI é a morte sem explicação de um bebê aparentemente saudável durante o sono. Harrington perdeu o seu próprio filho para SMSI 29 anos atrás e dedicou sua carreira a pesquisar a condição, segundo o comunicado.


===

Fonte: Agência Brasil

Foto: Jorge Silva/Reuters

Leia Também Cuidado em saúde mental para profissionais da saúde: projeto no HCPF incentiva o autocuidado e bem-estar da equipe assistencial Dia Internacional da Tireoide: quando fazer o teste rápido para avaliar a produção dos hormônios Praça Teixeirinha acolhe manifestação pela aprovação do piso de enfermeiros São 50 anos de HSVP: administrador Ilário de David será homenageado pela Câmara