PSB reafirma que Beto Albuquerque vai ao Piratini

Compartilhe

O diretório estadual do PSB aprovou por unanimidade ontem, em reunião no Teatro Dante Barone da Assembleia Legislativa, resolução reafirmando o nome de Beto Albuquerque como pré-candidato ao governo do Estado. A decisão ocorre em meio a negociações com a pré-candidatura de Edegar Pretto (PT) e Vieira da Cunha (PDT).

 Depois da formação da federação entre o PT e o PSB em nível nacional, surgiu a expectativa em torno da unificação das candidaturas ao Piratini de Beto Albuquerque (PSB) e Edegar Pretto (PT). A ideia era dar um único palanque presidencial para a chapa que tem Luiz Inácio Lula da Silva (PT) como candidato à presidente, e Geraldo Alckmin (PSB), como vice.

 Entretanto, tanto Beto quanto Edegar querem liderar a chapa ao Piratini. Na semana passada, chegou a circular o boato de que Beto seria candidato a senador na chapa liderada pelo petista. Em meio a rumores, o diretório dos socialistas manifestou a vontade de manter Beto na cabeça da chapa.

 O presidente estadual do PSB, Mario Bruck, acredita que Beto tem mais chance de chegar à segunda etapa da eleição, mas também de absorver votos dos eleitores de centro. "No segundo turno, o Beto tem mais possibilidade de ampliar (votos) no campo mais ao centro. O Edegar não consegue atrair muitos votos desse campo", avalia.

 O presidente estadual do PSB continua sua análise: "diante da intransigência do PT em aceitar que o Beto tem o nome com mais chance de vencer, não descartamos uma aliança com o PDT. Afinal, já estivemos com o PDT em 2020, na eleição para a prefeitura de Porto Alegre, quando indicamos o vice da então candidata Juliana Brizola (PDT)." Nesse cenário, o PDT indicaria o candidato a vice-governador.

 Contudo, Bruck afirma que os socialistas continuariam apoiando a candidatura de Lula, mas, ao mesmo tempo, dariam palanque ao presidenciável do PDT, Ciro Gomes. "Nesse caso, seria um palanque duplo", projetou.

Hoje, o PSB nacional deve definir as candidaturas nos estados que ainda buscam acordo - principalmente, São Paulo e Rio Grande do Sul. "A decisão sobre a candidatura em São Paulo pode ter repercussões aqui. Se o Márcio Françca (PSB) abrir mão da candidatura ao Palácio dos Bandeirantes para concorrer a senador na chapa de Fernando Haddad (PT), pode ser que, aqui no Rio Grande do Sul, o PT abra mão da cabeça de chapa (para equilibrar a aliança)", ponderou Bruck.

 

Tasso é aposta de Simone Tebet para diálogo com Ciro Gomes

O senador Tasso Jereissati (PSDB-CE) aguarda o desfecho das negociações no Rio Grande do Sul entre o PSDB, e o MDB para selar o acordo com Simone Tebet e ser anunciado como candidato a vice da pré-candidata do MDB ao Planalto. Aos 73 anos, um dos últimos representantes da velha guarda tucana em atividade, se prepara para entrar na campanha presidencial enquanto estreita laços com Ciro Gomes, pré-candidato do PDT, com quem pode ajudar a formar uma candidatura única da terceira via.

Fonte: Jornal do Comércio  

Leia Também OAB de Passo Fundo é homenageada pela Câmara de Vereadores Nove vereadores de Passo Fundo estarão concorrendo nas eleições de 2022 Vereadores de Passo Fundo apreciam vetos do Executivo Registro de candidatura: Bolsonaro declara patrimônio de R$ 2,3 milhões