Vocação e testemunho

Postado por: Ari Antônio dos Reis

Compartilhe

Eu vi o Senhor (Jo 20,18).

É proposto para o mês de agosto na Igreja do Brasil a reflexão sobre a vocação, ou seja, o chamado que Deus faz a todos os batizados para colaborar na obra salvadora, colocando-se a serviço. O tema e o lema propostos para esse ano apresentam a expressão “testemunho”. Antes de retomar o tema e lema, compreendamos o que significa testemunho na compreensão cristã.
Segundo o dicionário Michaelis significa uma narrativa real, ou seja, é a confirmação de algo. Portanto, testemunhar é contar uma verdadeira história e, da sua vida, você é o autor. Você testemunha os fatos que aconteceram contigo. Já o dicionário escrito por Antônio Houaiss compreende como: “ter visto, ouvido ou conhecido”. O mesmo dicionário liga testemunho à tradição cristã. Então, dar testemunho cristão é expressar ou afirmar ter tido um encontro, ter visto, ouvido ou conhecido Jesus Cristo. Não é possível dar um testemunho sem que o encontro, de fato, não tenha ocorrido. 
A definição acima descrita é muito próxima do que os cristãos compreendem como testemunho. São Lucas, ao escrever a introdução ao seu Evangelho, afirma que “muitos tentaram escrever a história dos acontecimentos que se cumpriram entre nós, tal como nos transmitiram aqueles que desde o princípio foram testemunhas oculares e ministros da Palavra” (Lc 1,1-2). Na introdução ao livro dos Atos dos apóstolos, também de sua autoria, afirma: “no meu primeiro livro, ó Teófilo, escrevi a respeito de tudo o que Jesus começou a fazer e ensinar, até o dia em que foi levado para o céu. Antes disso, por meio do Espírito Santo, ele deu instruções aos Apóstolos que tinha escolhido” (At 1,1-2). Os Apóstolos Pedro e João, pressionados pelas autoridades para não falar de Jesus, disseram: “não podemos deixar de falar sobre as coisas que vimos e ouvimos” (At 4,20).
 A fé cristã se irradiou pelo mundo graças ao testemunho dos cristãos, convencidos de que deveriam contribuir para que outras pessoas conhecessem Jesus Cristo. É o fundamento da missão evangelizadora. Segundo o Papa Francisco, “a alegria do Evangelho enche o coração e a vida inteira daqueles que se encontram com Jesus” (EG 1). Em muitos momentos da história o testemunho cristão acarretou perseguições e até morte. Se visitarmos a historiografia dos mártires cristãos veremos que o martírio chegou pelo fato de defenderem a proposta cristã. Por isso, martírio está ligado intimamente ao testemunho. O testemunho cristão necessita ser renovado a cada época para não correr o risco, no tempo, de rompimento com o projeto do Nazareno. 
Vocação e testemunho têm uma relação profunda. O tema proposto para esse ano, “Cristo vive, nós somos suas testemunhas”, é o convite para propagar o nome do Ressuscitado e sua proposta para todas as pessoas e em todos os lugares. Os cristãos não pregam um homem morto, pregam alguém que ressuscitou e venceu a morte. Ressuscitado, enviou os discípulos para levarem o seu nome e proposta para todos os cantos do mundo, começando por Jerusalém (Lc 24, 47).  Tal pregação deve ter a força da adesão, porque a comunicação do bem se expande e sugere um novo alento para as pessoas. 
O lema se reporta a experiência de Maria Madalena, a discípula amada: “Eu vi o Senhor” (Jo 20, 18). Ela foi ao túmulo, em luto, para ver um corpo sem vida. Encontrou-se com o Ressuscitado e o encontro foi marcante. Maria Madalena caminhou até o túmulo acompanhada do silêncio da morte. Após o encontro com Jesus ressuscitado saiu do lugar testemunhando a ressurreição para os demais discípulos.
 A vocação, vocare em latim, um chamado de Deus, é um projeto pessoal de implicações comunitárias. Cada batizado, membro do povo de Deus, é provocado a dar um passo a mais como contribuição para o anúncio do Evangelho. Fará isso assumindo uma vocação específica: ministro ordenado, vida familiar, consagrado ou consagrada e discípulo leigo. A motivação para esse assumir é inspiração divina e decisão pessoal. Ganha densidade pelo testemunho dos que já deram esse passo.
 Testemunhar a realização pessoal e o sentido do viver a partir de uma resposta dada se constitui o grande chamado em nossos tempos. Enquanto promoção vocacional tem um peso mais significativo do que qualquer processo de marketing, porque o testemunho parte de uma vida de serviço, em contraponto a frieza da técnica.  Isso motiva as pessoas também mergulharem nas águas mais profundas da missão cristã. Deus conta com as mediações humanas para agir no mundo. Ele continua agindo e conta com o apoio do ser humano. É testemunho necessário. Foi dado ao longo da história. É uma urgência nos dias de hoje. 
Pe. Ari Antônio dos Reis

Leia Também Outubro Rosa: um gesto de amor O prato do velho RABISCOS SEMANAIS: Economia do Evangelho!