É o Bicho: Prefeitura de Passo Fundo já castrou mais de 8,1 mil animais gratuitamente

Compartilhe


Desde 2013, quando o programa É o Bicho foi implementado, a Prefeitura de Passo Fundo castrou gratuitamente mais de 8,1 mil animais. São cães e gatos que tiveram ciclos de procriação interrompidos, reduzindo, como consequência, possíveis abandonos e maus-tratos.

O prefeito, Pedro Almeida, considera que o É o Bicho foi o início das políticas públicas referentes ao cuidado com os animais e destaca que o Município tem ampliado significativamente os recursos e ações de proteção. “A Prefeitura trabalha ao lado da rede de proteção, buscando implementar programas e projetos efetivos para os animais. Além do É o Bicho, hoje temos o Acolhe Pet, que promove o acolhimento de cães e gatos em lares temporários, e teremos, em breve, os primeiros movimentos do Banco de Ração, que vai ajudar famílias que precisam na manutenção de animais”, mencionou.

As castrações pelo É o Bicho são destinadas a animais de pessoas que, inscritas no CadÚnico, não possuem condições para pagar pelos procedimentos e aos animais resgatados por protetores. Essa é uma forma de assegurar que serão prioritários os cães e gatos que estão em situação de vulnerabilidade.

Conforme o secretário de Meio Ambiente, Rafael Colussi, o ônibus do É o Bicho está atendendo o interior de Passo Fundo. “Castramos animais no Bom Recreio e no Capinzal e, na sequência, atenderemos os demais distritos e bairros da cidade, com a divulgação de um cronograma”, enfatizou.

Acolhe Pet
A fim de fortalecer a rede de proteção animal, neste ano, a Prefeitura passou a fornecer um subsídio financeiro a protetores que oferecem lar temporário para animais resgatados. A iniciativa recebeu o nome de Acolhe Pet. Em dois chamamentos públicos abertos, 13 pessoas foram credenciadas. “O Acolhe Pet é mais uma conquista, pois sabemos dos desafios diários dos protetores e queremos ajudá-los”, enfatizou o prefeito.

A partir do credenciamento, o valor subsidiado pelo Município é de R$ 70 por animal. Cada protetor pode albergar até 10 animais pelo programa e, além de promover o acolhimento, firmará o compromisso de divulgar e estimular as adoções. Todos os lares são fiscalizados pela Coordenadoria de Bem Estar Animal.

Para o secretário de Meio Ambiente, com o Acolhe Pet, a Prefeitura reforça a sensibilidade das políticas municipais de proteção animal. “O Acolhe Pet é uma referência no Estado. Além de Passo Fundo, Canoas conta com uma iniciativa similar, que fornece R$ 35 por animal. Hoje, temos uma política mais próxima dos animais e dos protetores e que resulta em um acolhimento com mais carinho e cuidados. Queremos transformar o nosso programa em uma iniciativa cada vez maior”, mencionou.

Leia Também Trabalhos de conscientização sobre a causa animal retornam às escolas Cobra encontrada em via pública no Bairro Cidade Nova Bugio chama atenção ao sentar em viatura da Brigada Militar RS apresentará ações climáticas na COP27 no Egito