É o Bicho: Prefeitura estima realizar mais de 3 mil castrações gratuitas neste ano

Compartilhe

Foi com o programa É o Bicho que Passo Fundo começou, em outubro de 2014, a efetivar políticas públicas na área da proteção animal. Uma das ações de relevância foram as castrações gratuitas, que, aliadas ao atendimento gratuito no Ambulatório Veterinário Municipal e à fiscalização de denúncias de maus-tratos, trouxeram um olhar sensível à causa animal. Desde então, mais de 8,2 mil animais, entre cães e gatos, foram castrados. Com a ampliação de recursos, a estimativa da Prefeitura é que, neste ano, sejam realizadas mais de 3 mil castrações pelo programa.

O prefeito Pedro Almeida destaca que o Município trabalha para fortalecer as políticas públicas de Bem-Estar Animal e garantir recursos para expandir as ações. “Em conjunto com a rede de proteção, estamos consolidando importantes medidas. Hoje, além do É o Bicho, temos o Acolhe Pet, que contribui financeiramente com protetores que disponibilizam lar temporário a animais resgatados, e o Banco de Ração, que é novo e ajuda na manutenção de animais de pessoas que precisam”, destaca.

Levando em consideração os números de 2022, até este mês de setembro, 1,4 mil animais foram castrados pelo Programa É o Bicho. A previsão é que, até o fim do ano, sejam disponibilizados mais de 1,6 mil procedimentos. As castrações são feitas em cães e gatos de pessoas inscritas no CadÚnico da assistência social, em animais encaminhados por protetores cadastrados na SMAM e animais provenientes de denúncias de maus-tratos.

Os distritos do interior de Passo Fundo também estão sendo contemplados com o programa de castrações e atendimentos veterinários. O secretário de Meio Ambiente, Rafael Colussi, explica que o cronograma de ações é organizado pela Coordenadoria do Bem-Estar Animal em parceria com os subprefeitos dos distritos. “Quatro distritos já foram atendidos e os demais estão escalados. Os animais das comunidades foram encaminhados a partir de listagem fornecida pelos subprefeitos, avaliados no ônibus do Programa É o Bicho, conhecido como castramóvel, e direcionados às clínicas que realizam as castrações. Posteriormente, foram entregues aos seus tutores castrados e microchipados”, menciona.


Acolhe Pet

O programa Acolhe Pet é uma iniciativa da Prefeitura que tem como objetivo ampliar o acolhimento de animais, disponibilizando um subsídio financeiro de até R$ 704,40 a pessoas que oferecem lar temporário em suas casas. O Município abriu três editais para o credenciamento e, atualmente, conta com 13 protetores credenciados.

Pelo programa, o Município destina R$ 70,44 a cada animal em lar temporário. O limite é de 10 animais abrigados por credenciado. Além de promover o acolhimento conforme a demanda da Secretaria de Meio Ambiente, os protetores firmam o compromisso de divulgar e estimular as ações de adoção dos animais acolhidos.

Para o secretário de Meio Ambiente, Rafael Colussi, o Acolhe Pet prioriza o cuidado integral com os animais. “Temos uma política inovadora em Passo Fundo que visa o bem-estar dos animais. Somos referência no estado e para inúmeras outras cidades com as políticas públicas em vigência em nosso Município, pois priorizamos a relação mais próxima dos animais com seus cuidadores, humanizamos o atendimento por meio dos acolhedores/protetores, ação que resulta em mais carinho e cuidados”, mencionou o Secretário Rafael Colussi.


Banco de Ração

Outra ação implementada neste ano é o Banco de Ração. A Prefeitura distribui ração a animais de pessoas inscritas no CadÚnico e que possuem cadastro no Banco de Rações para ações emergenciais.

A Secretaria de Meio Ambiente realiza a entrega. “É importante ressaltar que a secretaria diagnostica as situações e que é um auxílio de caráter emergencial para os casos que demandam doação, lembrando que não é contínuo. Sabemos que na cidade há muitas pessoas que não têm condições financeiras e que cuidam dos animais, e o Banco de Ração pretende atingir este público”, enfatiza Colussi.

Ainda segundo o secretário, as pessoas que recebem doações do Banco de Ração, primeiramente, deverão castrar os animais pelo Programa É o Bicho caso os mesmos ainda não sejam castrados. “A Prefeitura ajuda, mas também quer ter o compromisso da pessoa responsável pelo animal”, salienta.

A ração do Banco de rações foi adquirida com recursos próprios do Município de Passo Fundo para atender, em situação emergencial, as pessoas que necessitam de ajuda nesse período crítico pós- pandemia.


Créditos: Divulgação/Prefeitura

Leia Também Trabalhos de conscientização sobre a causa animal retornam às escolas Cobra encontrada em via pública no Bairro Cidade Nova Bugio chama atenção ao sentar em viatura da Brigada Militar RS apresentará ações climáticas na COP27 no Egito