O racista e o racismo

Postado por: Dilerman Zanchet

Compartilhe
Muito se falou e ainda fala a respeito da ação de racismo da torcida gremista, no jogo contra o Santos pela copa do Brasil, em que o clube gaúcho foi punido com a exclusão do certame e algumas pessoas indiciadas.

A torcedora gremista, flagrada por uma câmera de televisão gritando palavras ofensivas ao goleiro Aranha, do Santos, foi manchete nacional e internacional. Tripudiaram a garota, que perdeu o emprego, teve casa incendiada, precisou que trocar de cidade, fazer tratamento psicológico, enfim, um trauma. Só pelo fato de estar torcendo e ter sido impulsionada, por outras pessoas, a tomar uma atitude condenável. Condenável pela Justiça, não por todos e por tudo o que fizeram a ela. Não estou aqui fazendo uma tese de defesa às atitudes da moça. Tampouco defendendo atos como aquele e, sequer condenando a agremiação (para que entendam, sou torcedor colorado). Porém, para tudo existem limites.

Recentemente compartilhei um texto de Giovanni Navarro expondo o assunto. E entendi que seria um ponto final. Que somente a Justiça faria seu papel de julgar o caso, o clube, a torcedora, os envolvidos.

No entanto, a “vítima”, o goleiro Aranha foi extremamente hipócrita, sem noção de perdão e completamente infeliz nas atitudes pós-jogo, na quinta-feira, ao voltar ao seu “palco de terror”. Pensou que fosse recebido com pétalas de rosas, mesmo sem ter tido a humildade de aceitar as desculpas da garota. Fez toda a cena, criou elementos e subiu ao altar. Ficou lá, sendo criticado e recebendo elogios ao mesmo tempo. Desceu para o gramado jogar, foi vaiado e não queria que isso acontecesse.

Ora... foi na verdade um aproveitador, transformou uma situação a seu favor numa questão nacional. Hoje, são gremistas e colorados contra sua atitude. Desdenhou todas as orientações e ainda desdenhou o Rio Grande do Sul.

Errou, Aranha. E errou feio.

Nesta terra respeitamos as pessoas.

Neste solo gaúcho, não somos racistas e tampouco homofóbicos como tentaram incutir naquela cidade de fronteira, meio que à força (cada um no seu quadrado).

Racista foi você, ao ser injuriado e não aceitar as desculpas da menina e jogando-a aos leões.

Racistas são os que concordaram em não perdoá-la, ou, não aceitar suas desculpas.

Deus ensinou-nos o perdão. Alguns não aprenderam. E mentem.

“Tem de resolver e esquecer, não tem de existir a cor da pele. Muita gente achou que o racismo tinha sido resolvido aqui no Brasil, mas não foi, só foi jogado para baixo do tapete. Eu toparia numa boa me encontrar com ela, mas ela vai responder pelo o que ela fez. Mas eu não quero chabu. Uma coisa é perdoar, abraçar...” disse ele para a imprensa. 

Por favor, deixe de lado o racismo que existe dentro de você e seja mais humano, rapaz.

A vida vai lhe ensinar isso.


Leia Também 33º Domingo do Tempo Comum. O Enart, de novo! A importância de ter uma recepcionista/secretária preparada em seu consultório. Feito é melhor que perfeito