O recolhimento e o espalhamento do lixo em Passo Fundo

Postado por: Dilerman Zanchet

Compartilhe

Há muito tempo se discute o recolhimento do lixo em Passo Fundo. Fato.

Falta consciência da população, falta campanha educativa que saia das escolas e ganhe as ruas, falta vontade política para resolver o problema e falta, sobretudo, um recolhimento eficaz e que satisfaça as nossas necessidades. Porque é de pequeno que se enverga a árvore.

Agora preste bem atenção e discorde com veemência se eu estiver errado: Você está trafegando pela Avenida Sete de Setembro, quando em sua frente está um caminhão de recolhimento do lixo: Os tais containers estão nos lados direito e esquerdo da via. O veículo trafega por um deles. Mas não estaciona. Consegue infernizar o trânsito em toda a sua extensão. Se o lixo está á direita eles vão pela esquerda e vice versa. Uma piada.

Não considerei, ainda, o recolhimento propriamente dito. Outra vergonha. Você acondiciona o lixo orgânico em sacolas separadas do lixo reciclável. Vão todos para o mesmo local. Aliás, todos não, pois os garis, responsáveis pela coleta e sem nenhuma orientação (você já viu um fiscal de recolhimento de lixo em Passo Fundo?), despejam 70 % no caminhão e o restante espalham pelo chão.

Já estou cansado de ouvir falácias dos responsáveis. Há mais de 10 anos, intensificando-se nos últimos, ouve-se que vão fazer isso, resolver aquilo, determinar acolá. E nada. O povo fica à mercê do que paga, e bem, para ter condições dignas de vida. E nada.

Até quando vamos esperar que os caminhões e pessoas que recolhem o lixo respeitem os moradores das vilas, o trânsito e, principalmente, quem paga seus salários? Até quando vão trabalhar sem nenhuma fiscalização?

Fazer política, administrar, no meu ponto de vista, é muito mais que abraçar crianças nas vilas e alisar barriga de grávida.


Leia Também 33º Domingo do Tempo Comum. O Enart, de novo! A importância de ter uma recepcionista/secretária preparada em seu consultório. Feito é melhor que perfeito