As eleições vêm e voltam: seria uma rotina?

Postado por: Neuro Zambam

Compartilhe
O Brasil vai às urnas a cada dois anos para decidir sobre o futuro dos municípios, estados e da nação. Afirma-se como uma necessidade básica a participação de todos para bem decidir sobre o presente e o futuro.

Da mesma forma é básico para a democracia a alternância no poder, seja de pessoas ou de partidos. Existem inúmeros exemplos de perpetuação no poder que ‘somam’ negativamente para o desenvolvimento de país ou mesmo para a sua integração no plano global como se espera atualmente de uma nação madura.

Outro aspecto fundamental é perceber que o Brasil vive o maior período de democracia da sua história. Isso não é pouca coisa.

Um país de dimensões continentais e com reconhecida influência na região precisa ser estável e seguro para liderar, renovar-se e empreender inciativas com reconhecimento político e viabilidade nos diferentes setores.

Sendo as eleições periódicas uma ‘arma’ construtiva, não se pode dizer o mesmo quando elas se tornam rotineiras e não impactam sobre o cotidiano da vida das pessoas. Especialmente no Brasil onde o seu exercício é complexo e não entusiasma a população.

Somos fruto de muitos governos que não conseguiram concluir os seus mandatos, especialmente quando eleitos, e de longos períodos de ditaduras.

A reforma política precisa dar fim às eleições rotineiras e fazer desse momento uma demonstração de paixão e amadurecimento político e democrático.

Para isso as oposições precisam exercer a sua missão.

O que temos visto, nos níveis municipal, estadual e federal, é uma atuação tímida e complacente das oposições. Um certo ensaio um ano antes das eleições e depois uma acomodação à cedência de cargos e pequenos favores que deveriam envergonhar os seus atores.

Fortalecer bancadas atuantes para a sustentação dos governos e dos seus projetos é legitimo e necessário.

Não é o mais indicado ver as oposições esperando a próxima eleição usufruindo do tempo e da projeção do poder.

Esta é uma das principais causas da não renovação de pessoas, líderes, instituições e partidos. Elegem-se ‘postes’ porque o terreno é mal cuidado e os seus cuidadores o abandonaram.

A democracia não é rotina.

Quem tem medo do debate público e do enfrentamento da dinâmica da sociedade esquece aqueles que tombaram na história lutando pela liberdade.

Participar é, também, saber, mesmo perdendo, exercer a sua missão.


Leia Também O que devo fazer para modificar ou ampliar a minha atividade já licenciada? Lendas, histórias e estórias A amizade é algo humano e divino! Esquerda e direita – saudades e compromisso