Nova eleição velha esperança. Me sinto um otário.

Postado por: João Altair da Silva

Compartilhe
Passou a eleição do primeiro turno, virá o segundo,  mas não vamos esperá-la.  Temos que arregaçar as mangas e trabalhar muito.  Tenho 44 anos, já fui 12 vezes às urnas,  e os problemas são os mesmos, falta de moradia, de estrada, de médico e de segurança. Me sinto um otário cada vez que vou votar com o argumento legal de que é a ferramenta para mudar.  Mudar o que?  Se a cada dois anos vamos às urnas e os problemas se repetem!  Isso é subestimar a inteligência do povo.

Alguém  vai reduzir os 180 CCs do prefeito Luciano Azevedo, as 27 secretarias do governador Tarso,  os 22,5 mil CCs da Presidente Dilma? Os pequenos municípios continuarão com nove vereadores, número exagerado e com a liberdade para criarem o número de secretarias que os prefeitos bem entenderem.  

Vão acabar com o turno único nas prefeituras para que o contribuinte receba atendimento integral?  Vão acabar com as greves nos Correios e nos bancos ou vamos continuar quebrando a cara  por lá?  Vão terminar com a extorção de quatro mil para vale moradia ou alimentação?  Os conselheiros dos tribunais de contas continuarão com cargos vitalícios e salários de 30 mil reais mesmo tendo passado oito ou dez anos apenas na função.  Os soldados vão continuar se aposentando como cabos,  função que jamais exerceram e os generais só não irão para reserva  como marechais porque não há guerra no país. Os professores e policiais,  num estado com expectativa de 75 anos,  continuarão a se aposentador com 25 anos de contribuição. Os demagogos continuarão a combater o fator previdenciário, medida adotada pelo FHC e mantida sabiamente  por Lula e Dilma porque sem ela a Previdência já estaria nas tumbas.

Teu salário continuará com o poder de compra limitado porque o governo recolhe parte dele na mão grande como impostos previdenciários.  Ninguém vai tirar aquela afronta:  desacatar servidor público dá cadeia (eles não devem ser desacatados), mas o Estado não publicará lá ao lado um cartaz dizendo que você tem direito à saúde.  Vamos continuar esperando 90 dias ou mais para  marcar consulta com especialista.  Os miseráveis continuarão sem  bolsa alimentação porque eles nem documentos pessoais têm. Vão continuar criando empresa pública para irrigar os dutos de corrupção.  Esse país é governado por corporações.  Basta ter uma entidade representativa forte para aprovar benesses. No Rio Grande do Sul,  2% dos gaúchos que são os aposentados do Estado ganham 25% da receita (R$ 12 bilhões/ano).
  
Continuarão a defender financiamento público de campanha. Se você quer ter uma profissão terá que pagar por ela.  O político é um profissional,  não tem que ter financiamento público nem privado. 

Sem economia não haverá dinheiro para  que o Estado cumpra sua função. E os Estado, em todos os seus níveis,  tornou-se um péssimo  gestor de seus servidores e de sua máquina que anda a passos de tartaruga.

Não se muda nada com simples eleição.  É preciso reformas. Mas veja que tipo de reforma.  Num país onde o lobby de categorias profissionais ou até mesmo de empresários da FIESP é o que predomina, cuidado, inclusive, com as mudanças!  Isso se elas vierem um dia. 

Leia Também 33º Domingo do Tempo Comum. O Enart, de novo! A importância de ter uma recepcionista/secretária preparada em seu consultório. Feito é melhor que perfeito