ESTOU VOLTANDO

Postado por: Dilerman Zanchet

Compartilhe
Estou voltando para o Brasil e para o meu Rio Grande do Sul. Depois de quase 20 anos fora, não tive a oportunidade de ver os avanços que meu país amado teve, neste período. Temos energia de sobra, a partir da Itaipu Binacional (Dizem que os altos salários dos diretores de lá é que incentivam o desenvolvimento da energia), temos um povo trabalhador, ótimos presídios, leis de fronteira que não permitem a invasão de contrabando e tampouco drogas, têm saúde, saneamento básico (a bem da verdade, 48% das residências urbanas o têm), temos um Sistema Único de Saúde que oferece condições condizentes ao povo menos favorecido e que não tem plano de saúde, até porque os que existem no Rio Grande, onde vou voltar a morar, são de ótima qualidade, cobram pouco e oferecem muito.... hehehehe.

Estou voltando ao país onde não existe corrupção e, pelo que ouvi pelas redes internacionais, haverá a mais ferrenha luta contra corruptores e corrompidos. Onde não existem cargos de confiança em excesso no serviço público (aqui fora chamam de cabide de emprego). Onde a Petrobras é a maior produtora de petróleo e um exemplo de administração ao mundo inteiro. Onde qualquer vestígio de roubo ou favorecimento é banido com muita versatilidade. Onde órgãos de imprensa contrários ao governo ou aos que governam recebem as mesmas verbas públicas que os favoráveis.

Onde a igualdade é irmã!

Estou voltando. Vou morar numa cidade em que tem de tudo: até duas faixas indicativas (setas), chamadas “caminhódromo” e que agora deverá ter uma ciclovia que atravessa canteiros centrais de uma avenida movimentadíssima. E que cortar, também, travessias da própria avenida. Na cidade em que os semáforos fazem quase de tudo. Menos organizar o trânsito.

Vou voltar para o Rio Grande, onde o povo, inteligente, jamais conduziu ao governo do Estado um mesmo partido por duas vezes seguida, exigindo esforço muito grande dos que postulam os cargos. Volto para o Rio Grande, onde o povo entendeu o recado dos que tiraram os pedágios das rodovias e permitiram o “esburaqueamento” das mesmas em menos de um ano, dos que criaram empresas para acomodar os companheiros, dos que criaram um projeto para valorizar os professores e que aqui, como mandatários, não o cumprem.

Vou voltar para o Rio Grande, onde as mediocridades de alguns filhinhos de papai os transformam em grandes incentivadores do comunismo barato, sem critérios. Aqueles mesmos que jamais ousariam viver em Cuba ou na Coréia (lá o bicho pega). Estou voltando ao Rio Grande. Quero meu Estado mais desenvolvido. Mais politizado ainda. E ainda promovendo as mudanças que o país precisa. Este Estado que está vinculado à República. Volto para o Brasil, país maravilhoso, onde milhares de estrangeiros o adotaram para morar (refugiados não). Tudo porque aqui é o paraíso.

Voltei!!!!

Leia Também 33º Domingo do Tempo Comum. O Enart, de novo! A importância de ter uma recepcionista/secretária preparada em seu consultório. Feito é melhor que perfeito