ENART 2014: Os erros se repetem

Postado por: Dilerman Zanchet

Compartilhe

Realizado entre 14 e 16 de novembro, o Encontro de Arte e Tradição – Enart, que ocorreu no Parque da Octoberfest, em Santa Cruz do Sul, repetiu os mesmos erros das edições passadas e demonstrou que são necessárias mudanças em sua estrutura para que o tradicionalismo gaúcho não sofra uma incalculável desmotivação por parte das entidades do meio.

Com uma grande equipe de trabalho, envolvendo mais de 200 pessoas só na avaliação dos diversos concursos, individuais e coletivos, além de secretaria, coordenação e outros setores, o Enart de Santa Cruz do Sul, visto como o maior festival amador da América Latina sofre o desgaste do descrédito. Os grupos e os concorrentes individuais que conseguem chegar à Santa Cruz não encontram mais a motivação de outrora para lutar pelo título, haja vista os erros cometidos por alguns avaliadores e pela própria organização.

Atribui-se á coordenação, por exemplo, o fato de que chuleadores tiveram que fazer suas apresentações sobre tapumes de construção. Os primeiros foram beneficiados, mas a partir da sétima ou oitava dupla, o laminado começou a soltar-se, prejudicando o desempenho de muitos. Observou-se, junto aos concorrentes, o descontentamento e a indignação pelo fato, tendo em vista que trabalharam o ano todo para chegar entre os finalistas. Outro aspecto observado refere-se às danças tradicionais, concurso que conta com mais de uma dezena de avaliadores na Força A. Pois bem: Na final do domingo, o campeão do Enart 2014 apresentou, na dança Xote de Duas Damas, erros de coreografia e harmonia de forma escancaradas (um vídeo demonstra isso). Não se consegue entender é como, com tantos avaliadores, erros como estes não são levados em conta.

Pergunto: Qual entidade tradicionalista terá, por muitos anos, motivação para investir mais de 150 mil reais para o Enart, com tantas agruras? Qual entidade terá ousadia para protestar oficialmente uma decisão dos avaliadores do MTG? O que a direção do Movimento Tradicionalista Gaúcho fará diante de tais fatos apontados? Pouco se pode esperar, infelizmente.

Se pudesse, sugeriria aos responsáveis para que promovessem uma reformulação e reciclagem de muitos dos avaliadores do quadro do MTG. E que a justiça fosse feita com os outros 19 grupos da A que dançaram no domingo.


Leia Também 33º Domingo do Tempo Comum. O Enart, de novo! A importância de ter uma recepcionista/secretária preparada em seu consultório. Feito é melhor que perfeito