O puxa-sacos

Postado por: Dilerman Zanchet

Compartilhe
Até há pouco tempo, quando o advento da internet não era tamanho, um determinado tipo de pessoas passava quase incólume no dia a dia das pessoas: o puxa-sacos.

Com a tecnologia da informação, porém, este biótipo surge com muita força, quase com naturalidade, e se destaca das pessoas, formando uma espécie de torcida organizada, amealhando curtidas no Facebook, compartilhando descaradamente as informações do seu “mestre/ídolo/patrão/preferido”. Chega a causar asco nas pessoas que pensam o contrário. Dificultam a formação de opinião sobre tal fato ou a detecção de um perfil mais adequado a cada tipo de pessoa.

Temos puxa-sacos em todos os lugares, em todas as redes sociais, em cada grupo que você participa. No clube de futebol, no clube social, no CTG (minha nossa) e na política.

Na política o puxa-sacos tem um papel inconfundível: basta estar o prefeito ou seu vereador preferido, ou então um outro que ostente um cargo público, e lá está o tal, a aplaudir, fazer fotos, pedir “selfie”, gritar o nome, etc. No Facebook, quando o “puxado” posta alguma coisa, dezenas, centenas de puxa-sacos estão ali para curtir, comentar, elogiar, etc. Esquecem que seu ídolo, eleito para tal, tem por obrigação ser honesto e ser eficiente em sua função. Puxar saco para quê? Ora, um cargo aqui, outro acolá, e estão os maiores puxa-sacos nos CCs. Seja no executivo ou no legislativo. Ou será que no judiciário também é assim?

Quantos puxa-sacos temos assim, em nossa empresa? Na prefeitura? Na câmara? Bah!!!!


Leia Também 16º Domingo do Tempo Comum. Teve compaixão Vantagens do Programa Sustentabilidade Ambiental Empresarial Um Fusca com roupa de Jipe