Pedágio

Postado por: João Altair da Silva

Compartilhe

Nosso município de Passo Fundo, apesar de ser um polo regional,  esteve fora das praças de pedágios instaladas nos últimos 15 anos no Rio Grande do Sul. A maioria dos cidadãos que não viajam, não tem a compreensão do custo do transporte com a obrigação do pagamento dessas taxas.  Imagine um motorista que precisa passar diariamente num praça como a de Lajeado que cobrava quase R$ 15,00 para que um carro de passeio pudesse seguir viagem. Em muitos casos, dependendo da distância, o desembolso com pedágio era maior de que o custo com o combustível. 

A cidade de Carazinho é sitiada por praças de pedágio.  Se vier em direção a Passo Fundo, paga pedágio. Se sair para Sarandi, tem de passar uma praça ainda mais perto. Se  for para a região central, andará poucos quilômetros e terá  outra praça de pedágio na saída para Panambi.  Temos que nos colocar na situação dessas comunidades para compreendermos o que é isso. Empresas abrem mão de contratar serviços quando somam esse custo. Profissionais liberais limitam suas atividades.  Trabalhadores deixam de assumir diversos empregos quando precisam bancar o transporte porque o custo torna-se inviável. Por isso é verdade o que disse o governador Tarso  Genro, ao comemorar, em Farroupilha, no final da semana passada, o fim dos pedágios, depois de conseguir levantar definitivamente as cancelas via justiça, de que o dinheiro, muito dinheiro, vai circular na economia dos municípios.   Viajando até o  Mato Grosso do Sul, paguei dois pedágios, um entre Passo Fundo e  Carazinho e outro entre Carazinho e Sarandi.  De Cascavel a Toledo, o trecho não  é tão longo, mas além de duplicado, é iluminado.  Como gaúcho acuado dos pedágios ao entrar naquela pista moderna fiquei imaginando que ali na frente deveria ter uma gigantesca praça de pedágio e muito cara. Nada disso.  Fora desse trecho não encontrei outras rodovias duplicadas, a não ser terceiras pistas  para desafogar o trânsito, mas também não se encontram buracos.   

Por que o Rio Grande do Sul que cobra um dos IPVAs mais caros (3% do valor venal dos carros, em Santa Catarina é 2%) tem de ser o campeão em praças de pedágios, sendo que 20% de seus municípios ainda não têm acesso asfáltico?  Isso mesmo, 80% das nossas pequenas cidades só são acessadas por estradas de chão batido.  No Paraná, até o ano passado, havia apenas oito municípios sem acesso asfáltico.   Isso ocorre  porque nosso Estado é um Estado gordo, balofo,  se propôs a oferecer um serviço público de qualidade, inchou demais o quadro de pessoal  e hoje administra  a folha de pagamento e a dívida com a União, não tem capacidade para investir. A verbinha para os 21 municípios da região da produção,  que deverá ser votada na próxima edição do Processo de Participação Popular Cidadã, em agosto, será novamente de R$ 5 milhões, e por certo, a exemplo das anteriores, o governo não conseguirá honrá-la, aumentando o passivo com as comunidades.   

 Festejamos agora  o fim de praças de pedágio no caminho de Porto Alegre, no final do ano, levantarão definitivamente as cancelas de praças de Carazinho, dentre outras. Considerando a capacidade praticamente nula do Estado para investimento nessas estradas, para suprir o trabalho deixado pelas  concessionárias de rodovias, infelizmente, em pouco tempo vamos chorar mais mortes no trânsito, nos buracos que se abrirão talvez ainda nesse inverno.  O governo criou uma nova empresa, EGR, para administrar 14 pedágios no Rio Grande do Sul. Já nasceu  ineficiente. A previsão é de que invista, no máximo, 30% de sua arrecadação.  Se não cair na desgraça da corrupção, talvez possa tapar os buracos de suas estradas,  certamente, nada além disso. O governo deveria preparar as finanças do Estado, para depois acabar com as concessões. 

Leia Também 33º Domingo do Tempo Comum. O Enart, de novo! A importância de ter uma recepcionista/secretária preparada em seu consultório. Feito é melhor que perfeito