Contra lockdown, chineses destroem centro de testagem e viram carro de polícia em Guangzhou

Compartilhe
Reprodução / Reuters   Reprodução / Reuters 
Revoltados contra as duras restrições à circulação de pessoas por conta da pandemia da Covid-19, moradores de Guangzhou, uma das maiores cidades do sul da China, se revoltaram e destruíram diversas instalações públicas na última terça-feira (15).

Imagens que circulam pelas redes sociais - a maioria delas proibidas no país - mostram cidadãos locais derrubando barreiras que isolavam áreas da cidade onde o foco de casos de Covid-19 é maior, quebraram instalações para testagem da população e até viraram um carro da polícia.

Desde o início da pandemia, o governo chinês impõe aos moradores do país a uma política de tolerância zero, que prevê lockdowns totais e prolongados a regiões e até cidades inteiros com apenas um caso de contaminação confirmado. Em casos como o da cidade de Xangai, moradores foram, inclusive, impedidos de deixar seus prédios.

A própria Organização Mundial da Saúde (OMS) já criticou a chamada política de Covid zero do país, que retrucou e indicou que continuaria a adotá-la, apesar de os números de infecção da China sejam baixos para os padrões globais - novos casos domésticos subiram para 8.824 na quarta-feira.

Na segunda-feira (14), autoridade de Guangzhou pediram aos moradores que trabalhem em casa e determinaram uma série de restrições. Embora o governo local não tenham imposto um lockdown completo, moradores se revoltaram contra as novas medidas restritivas e saíram às ruas, em um raro protesto que desafia as rígidas normas do governo chinês sobre manifestações.

A maioria dos 11 distritos de Guangzhou está sob alguma forma de restrição à Covid-19.

*Fonte: Portal G1

Leia Também Covid-19: OMS pode determinar fim da emergência mundial nesta sexta-feira Estado recorda os 2 anos do início da vacinação contra a Covid-19: 27 milhões de doses aplicadas Chegam ao estado novas doses para imunização de crianças contra a Covid-19 Covid-19: Município recomenda a vacinação e o uso de máscara por idosos e imunossuprimidos