Esse é o caminho da democracia?

Postado por: Dilerman Zanchet

Compartilhe
Marcelo Camargo/Agência Brasil©   Marcelo Camargo/Agência Brasil© 

 

Invadir prédios públicos ou afrontar a Constituição, ou ainda governar para o seu umbigo, não reflete em atos que podem ser chamados de democráticos. O quebra-quebra, o enfrentamento, seja físico, moral ou somente em palavras, com tons raivosos e vingativos, só leva ao caos.

Determinar a prisão, cancelar ou bloquear contas de redes sociais, usufruir de poderes lhes concedidos pelos cargos que ocupam, endossados pelas normas rígidas (nem tanto, mas que deveriam sim) servir à condução da Nação, expressando a legal, moral, correta e verdadeira interpretação da lei, independente de quem a ela serve, bem como zelar e defender ações de todos os credos, desde que intrínsecos na lei maior, são atribuições que deveriam ter o respaldo nacional. São processos naturais de quem está no degrau acima, para defender e agir em prol dos que estão abaixo.

Porém, não é o que acontece no Brasil, atualmente.

Toda a ação que já vimos nesses últimos dois meses, amparadas pelo verde e amarelo, pedindo simplesmente a divulgação do tal “código fonte” e que isso, certamente, não iria abalar nenhuma ação de resultado que não fosse do conhecimento público, tornou-se uma briga entre o dono da bola e o seu lugar no time. O todo-poderoso mandatário do STF e seus colegas sequer imaginaram que, enquanto no poder, pudessem usufruir do livre arbítrio de fazer valer muito mais a sua vontade do que o seu direito. E não se trata de outra coisa, a não ser o tal do bom senso. Afinal, quem não deve....

Um povo que engoliu alguns desses atos, assinados pelos integrantes da tal supremacia, que propuseram-se a deixar de lado a vontade da grande maioria (isso já reflete quem manda e quem tem que obedecer), chegou a ensaiar manifestações para expressar seu descontentamento. Não queríamos que rasgassem a Constituição com a questão da Segunda Instância. Não queríamos que condenados pela lei, no seu devido cumprimento, fossem libertados por um canetaço, colocando em cheque a própria lei e quem a tem, por função, em suas mãos.

O povo brasileiro que não tem bandeira política e até muitos dos que a têm, não concorda com o que está acontecendo na dita DEMOCRACIA. São atos que só despejam a raiva e o confronto, não só no campo das ideias.

E o que ocorreu no domingo ultrapassou esses limites.

É difícil ser apenas racional quando se vê um homem envolto na Bandeira do Brasil - que muito representou em uma campanha política, afirmando ser um lado democrático, patriota, defensor da lealdade à Pátria, MAS, ACIMA DE TUDO, UM SÍMBOLO NACIONAL- ser um anarquista e vândalo que entra em um prédio federal para depredar.

Isso não é e nunca será democrático.

Lutar sim, mas no campo das ideias. No campo da transformação, de caminhar olhando o futuro.

Depredar a sede de um poder, seja de qual for a esfera, é vandalismo. É forçar uma reação de um lado que você não sabe como vai reagir.

E forçar a depredação é, acima de tudo, burrice! É cair no popularesco de que aqui eu mando, vocês obedecem!

O caminho correto, doa à esquerda ou à direita, aos lulistas ou bolsonaristas, é o de entendimento, de ganhar e ceder, de ouvir e falar com respeito aos princípios dos indivíduos e respeitando a lei.

Não há outra forma. Não há outra saída!

Que Deus proteja os próximos dias e meses de todo esse país!


Autor: Dilerman Zanchet – Radialista e Jornalista (DRT 360/03-18)

Leia Também Bem-aventurados os mansos Coragem A Vida e Suas Oportunidades Segui-me