Escrever não rende prêmios, mas permite reconhecimentos

Postado por: Nei Alberto Pies

Compartilhe
Nada de imitar seja lá quem for (...) Temos de ser nós mesmos (...) Ser núcleo de cometa, não cauda. Puxar fila, não seguir. (Monteiro Lobato)

Desde dezembro de 2014, empreendemos um site. Sabíamos, desde o princípio, das dificuldades de manter e construir uma ferramenta como esta, guardando sentido e valor à sua existência. Mas, para além da vontade de comunicar, sempre tivemos clara intencionalidade: publicar conhecimentos que humanizam. 

O site www.neipies.com nasce para constituir-se numa referência de publicações autorais, no estilo crônicas, construídas por sujeitos que se agregam para pensar o processo de humanização, através dos conhecimentos críticos, reflexivos e colaborativos. 

O público que desejamos envolver e comprometer com esta ferramenta digital são profissionais da educação, estudantes, lideranças sociais e quaisquer interessados nas temáticas Educação, Cidadania e Espiritualidade. As publicações estão organizadas por colunas de Convidados/as e divididas em Seções: Protagonistas da Educação, Reflexões e Atividades, Entrevistas e Excertos. 

Para além de elegermos clara intencionalidade, fomos também fundindo a iniciativa do site com algumas das nossas mais importantes convicções. Passamos a relacioná-las.

Cremos que a escrita é uma prática social que deveria ser exercida pela maioria das pessoas. Escrever não deveria ser uma tarefa restrita a alguns poucos que, quando escrevem e registram, passam a ser considerados como importantes referências de novas descobertas e novos conhecimentos. Escrever deveria cumprir também com a necessidade de cada ser humano apropriar-se da sua história, dos seus conhecimentos e dos seus pensamentos. 

Como profissional da educação, entendemos a necessidade urgente de professores e professoras escreverem sobre as suas práticas e registrar os seus conhecimentos e as suas concepções sobre o “fazer” da educação, sobre a sua práxis. Enquanto nos abstivermos de falar e registrar nossos conhecimentos, nossas percepções e nossas práticas educativas, mais abriremos espaços para que quaisquer outros profissionais digam o que deve ser feito na educação.

Outra convicção que nos move no empreendimento do site é a importância de que reflexões e escritos falem, diretamente, de professor para professor. O site é pensado a partir de uma lógica de trocas e reciprocidades, num constante aprender-refletindo. Por isso, em maioria, nossos Convidados são professores e professoras de sala de aula, ou profissionais que mantém vínculos diretos e próximos com a realidade da educação brasileira.

Cremos, ainda, que mudanças na educação, sobretudo mudanças de práticas docentes, ocorrem quando educadores e educadoras fazem o exercício de reflexão de suas práticas cotidianas, através da sistematização. Sistematizar práticas docentes é uma forma eficiente e prática de apropriar-se de novas posturas e compreensões acerca do nosso fazer pedagógico. Mais do que nunca, precisamos pensar e ressignificar as práticas docentes para sairmos da condição de meros executores de metodologias já prontas (pensadas por outros) ou de sermos apenas tarefeiros da educação.

Acrescemos, ainda, a incorporação de práticas da leitura e de escrita que realizamos junto aos estudantes em nossas atividades docentes, bem como o amor e o gosto à literatura. Acreditamos que um professor que nutre gosto pelo seu trabalho, bem como o gosto pela leitura e escrita, alimenta em seus educandos o desejo de ler e escrever. Fazemos isso demonstrando a estes as limitações e os desafios permanentes do ler e do escrever, pois nunca somos “escritores”; sempre estamos sendo.

Destacamos a importância dos profissionais da educação encontrarem o seu lugar de fala, de terem a possibilidade de escrever e refletir sobre os desafios educacionais. Na medida em que estes escreverem sobre a realidade educacional, mais a educação será valorizada e aumentará o protagonismo por parte daqueles que são imprescindíveis para a educação acontecer.

Resultados e reconhecimentos do site
O site já contou com a colaboração de 75 pessoas Convidados/as. Editamos semanalmente, aos finais de semana, 04 a 06 publicações, 20 a 24 publicações mensais. Já foram editadas mais de 1300 publicações.

O alcance médio das publicações é de 500 acessos, sem quaisquer “impulsionamentos” em redes sociais. Fizemos a escolha de divulgação do site e das publicações em grupos de diferentes redes sociais, pela newsletter da página e por engajamento orgânico e permanente de leitores e leitoras.

Fechamos 2022 com mais de 750 mil acessos globais no site. Ao longo dos últimos dois anos, os acessos somaram mais de 200 mil/ano. Nesta perspectiva, projetamos o alcance de 1 MILHÃO DE ACESSOS até o final de 2023.

Na medida em que passam os anos, renovamos energias criativas e desejos de reconhecimento da iniciativa do site, tendo em vista maior alcance repercussão entre interessados no seu propósito fundante: a educação e a formação humanizadora. 

Embora escrever não renda prêmios, o reconhecimento que recebemos através de centenas de milhares de leituras e acessos no site nos estimula a semear a força das palavras e dos bons conhecimentos, com vista a nos humanizar. 

Qual é a finalidade da escrita? Assim profetizou Eduardo Galeano: “Escrevemos, na realidade, para as pessoas com cuja sorte, ou azar, nos sentimos identificados. Os que comem mal, os que dormem mal, os rebeldes e humilhados desta terra, e a maioria deles não sabe ler”.

Nei Alberto Pies, Editor do site

Leia Também Bem-aventurados os mansos Coragem A Vida e Suas Oportunidades Segui-me