Grupo Planalto de comunicação

Instituto Aliança Empresarial apoia iniciativa de capacitação profissional para mulheres em situação de vulnerabilidade Projeto Amplitude (Arte)sanato Circular recebe subsídio do fundo social da Sicredi Integração de Estados RS/SC/MG, instituição parceira da organização

Foto: Divulgação

O Instituto Aliança Empresarial é apoiador do projeto Amplitude (Arte)sanato Circular, liderado pela empresa fundadora da organização, a Be8. A ação visa a inovação social e sustentável através da capacitação de mulheres em situação de vulnerabilidade. A iniciativa foi contemplada pela destinação do Fundo Social da Sicredi Integração de Estados RS/SC/MG, instituição partner do Instituto, na última semana, em Passo Fundo. Além desse projeto, a Sicredi Integração de Estados destinou R$ 1,3 milhão para 146 ações sociais.

O Amplitude (Arte)sanato visa o empreendedorismo na economia circular ao impulsionar a geração de renda por meio da conexão e atuação em rede de um ecossistema de inovação. As temáticas das capacitações para as mulheres abrangem modelagem de negócios, finanças pessoais e de negócio, marketing e ferramentas digitais, vendas, conquistas jurídicas e institucionais das mulheres.

De acordo com a diretora institucional do Instituto Aliança Empresarial, Márcia Capellari, o projeto contempla o alinhamento estratégico do Instituto, traçado juntamente com as empresas fundadoras e associadas da organização, com o objetivo de promover o desenvolvimento econômico do norte gaúcho. A partir do subsídio do fundo social, o projeto conseguirá adquirir máquinas de costura para tecidos criativos que ativam a economia criativa, circular e solidária no Hub Aliança, do Instituto Aliança Empresarial.

“O apoio do fundo social Sicredi vai ao encontro de potencializar as iniciativas existentes como o Amplitude (Arte)sanato”, afirma a diretora. O projeto Amplitude (Arte)sanato é liderado pela Be8, empresa fundadora do Instituto, com apoio do Sebrae, execução da empresa Semente Negócios e parceria com Ciclo Reverso. Ele atua com uma jornada empreendedora de oito meses para mulheres papeleiras e o projeto Mães da Cufa – Central Única das Favelas.

Márcia enfatiza, também, que o projeto é baseado nos Objetivos Globais de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da Organização das Nações Unidas (ONU) e a Governança ambiental, social e corporativa (ESG). “Em sua primeira versão, o projeto gerou impacto nos indicadores de geração de renda, empregabilidade, apoio emocional e aprendizagem empreendedora”, reitera a diretora.

Parceiros do projeto
A ação tem a parceria dos grupos de Passo Fundo, como o Grupo de mulheres Mães da Cufa – Central Única das Favelas, Lídera – Associação de Mulheres Empreendedoras (projeto Fênix), Socrebe e Cooperativa Mista de Produção e Trabalho dos Empreendedores Populares da Santa Marta (Cootraempo).

Facebook
Twitter
WhatsApp

Notícias Relacionadas

Categorias

Redes Sociais