Grupo Planalto de comunicação

Pelo direito de rezar

 

Não se configura novidade os ataques
impetrados contra lugares sagrados de algumas denominações religiosas,
especialmente as de matriz africana. Sobre este fato cabe lembrar que o direito
à expressão religiosa é garantido pela Constituição Federal. O artigo 5º versa que “todos são iguais perante a lei,
sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos
estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à
liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade”. O texto discorre sobre as
diferentes liberdades garantidas.  O
parágrafo VI desse artigo afirma que: “é inviolável a liberdade de consciência
e de crença, sendo assegurado o livre exercício dos cultos religiosos e
garantida, na forma da lei, a proteção aos locais de culto e a suas liturgias”.
Vê-se que qualquer forma de ataque ou impedimento ao exercício da expressão religiosa
pessoal ou comunitária configura-se como crime.

Para os católicos
existe também algumas orientações a partir do documento Dignitatis Humanae promulgado durante o Concílio Vaticano II (1965).
Escreve o documento: “este Concílio
Vaticano declara que a pessoa humana tem direito à liberdade religiosa. Esta
liberdade consiste no seguinte: todos os homens devem estar livres de coação,
quer por parte dos indivíduos, quer dos grupos sociais ou qualquer autoridade
humana; e de tal modo que, em matéria religiosa, ninguém seja forçado a agir
contra a própria consciência, nem impedido de proceder segundo a mesma, em
privado e em público, só ou associado com outros, dentro dos devidos limites”
(Declaração Dignitatis Humanae n. 2).

Lembra a todos que tal liberdade é
constitutiva da dignidade humana e deve ser protegida e reconhecida como um
direito civil: “e o direito à liberdade religiosa se funda realmente na própria
dignidade da pessoa humana, como a palavra revelada de Deus e a própria razão a
dão a conhecer. Este direito da pessoa humana à liberdade religiosa na ordem
jurídica da sociedade deve ser de tal modo reconhecido que se torne um direito
civil” (Declaração Dignitatis Humanae n. 2).

Em tempos de diferentes ameaças a elementos
basilares da dignidade humana, especialmente à manifestação religiosa, é conveniente
retomar os princípios fundantes acima descritos. Eles têm uma dimensão
protetiva do direito à manifestação religiosa, mas também são referência na
ação contra aqueles que insistem em não respeitar tais preceitos.
Constitucionalmente o atentado à liberdade religiosa é crime.  O não respeito à orientação da Igreja
Católica é indicativo de não comunhão eclesial, pois é não atacando quem
professa uma fé diferente que a pessoa solidifica a sua pertença.

A missão das Tradições Religiosas tem, além do
diálogo com o transcendente, a importante tarefa de responder aos grandes dramas
humanos, fato reconhecido na Declaração
Nostra Aetate
, documento da Igreja Católica sobre o diálogo com as
religiões não cristãs. O texto parte do reconhecimento da importância da
religião na vida humana: “os homens esperam das diversas religiões resposta
para os enigmas da condição humana, os quais, hoje como ontem, profundamente
preocupam seus corações: que é o homem? Qual o sentido e a finalidade da vida?
Que é o pecado? Donde provém o sofrimento, e para que serve? Qual o caminho
para alcançar a felicidade verdadeira? Que é a morte, o juízo e a retribuição
depois da morte? Finalmente, que mistério último e inefável envolve a nossa
existência, do qual vimos e para onde vamos” (Declaração Conciliar Nostra
Aetate 1)

É uma tarefa significativa e que não se cumpre
apenas na perspectiva humana imanente. As religiões invocam o transcendente em
vista de responder a tantos questionamentos. Acolhem a força da religião como
significante da vida. Compreendemos então o papel importante da religião da
vida humana e na sociedade.

Cabe lembrar outro princípio que dá grande
autoridade moral às diferentes Tradições Religiosas, o compromisso em promover
o bem. Na promoção do bem as religiões vão demarcando seu espaço na sociedade,
não em disputa proselitista, mas para ajudar a humanidade a viver e ser
melhor.  As diferentes formas de rezar e
vivenciarem seus ritos são riqueza para toda a sociedade.

Atitudes de perseguição, preconceito e
tentativa de desconstrução da crença alheia não se configuram modus operandi de um verdadeiro crente e
são tipificadas como crime. A sociedade não pode ser conivente com tais
atitudes. Não cabe apenas manifestar repúdio, mas denunciar tais práticas.
Somente a ação legal poderá coibir aqueles que pensam que a certeza da sua
pertença lhes dá o direito de vilipendiar a pertença do outro.

Assumamos um princípio do diálogo e respeito
religioso: eu creio, o outro crê, nós cremos, todavia, o ato de crer e rezar
pode ser diferente.

Pe. Ari Antonio dos Reis

 

Facebook
Twitter
WhatsApp

Notícias Relacionadas

Categorias

Redes Sociais