Grupo Planalto de comunicação

Prefeitura castrou cerca de 14 mil animais pelo programa É o Bicho Programa completa 10 anos em 2024, sendo a principal política pública de Passo Fundo voltada à proteção animal

Fotos: Michel Sanderi

O programa É o Bicho cumpre um papel fundamental dentro das políticas públicas voltadas à proteção animal em Passo Fundo e completa 10 anos em 2024. Por meio dele, a Prefeitura realiza a castração gratuita de cães e gatos, buscando reduzir a procriação descontrolada e evitar possíveis situações de abandono e maus-tratos.

As castrações são destinadas a animais de pessoas de baixa renda, inscritas no CadÚnico, e monitorados por protetores da cidade. Desde o fim de 2014, quase 14 mil procedimentos foram efetuados.

Conforme o secretário de Meio Ambiente, Enílson Gonçalves, que acompanhou o início do programa, a iniciativa foi um marco para as ações de cuidado com os animais. “Foi a primeira política pública desenvolvida em Passo Fundo e uma conquista para a comunidade, principalmente, para pessoas e entidades ligadas à causa animal. Além do controle de animais, tem consequências também para a saúde pública inclusão”, destaca.

É o Bicho atende os bairros e o interior do município. Foto: Michel Sanderi

O É o Bicho atende os bairros e o interior do município. Com um ônibus – identificado e conhecido pela população –, após o cadastramento prévio pelos tutores, a Prefeitura vai até as comunidades buscar os animais que passarão pelo procedimento.

A coordenadora de Bem-estar Animal, Maria de Lourdes Secorun, explica que, no veículo, é realizada uma avaliação física dos cães e gatos, que, posteriormente, são encaminhados a oito clínicas veterinárias credenciadas ao Município. “No ônibus, fazemos a triagem para ver se os animais estão bem, aptos para a castração. Depois, os direcionamos às clínicas. Em dois dias, eles são devolvidos com orientações referentes aos cuidados”, afirma.

Além das castrações, o programa realiza a microchipagem dos animais. “Isto é muito importante para termos o controle do abandono e dos animais castrados pela Prefeitura”, pontua Maria de Lourdes.

Protetora de animais há mais de 10 anos, Juleide Livilalli, enfatiza a importância do programa. “Há muitos animais abandonados e pedidos por ajuda. Um programa de castração é essencial para que consigamos castrar o maior número de fêmeas a fim de que nasçam menos animais. É medida da Prefeitura que traz impactos para toda a cidade, diminuindo a quantidade de cães e gatos nas ruas”, considerou.

Mais ações
Dentro do programa É o Bicho, a Prefeitura implementou outras iniciativas voltadas à proteção e cuidado com os animais:

Acolhe Pet
Fornece um subsídio financeiro a protetores que resgatam e abrigam animais. O cadastro é feito mediante edital, prevendo que os protetores recebam cerca de R$ 70 por animal albergado e estimulem movimentos de adoção.

Banco de Ração
Oferece ajuda urgente e temporária com ração para animais de pessoas que precisam. Uma das exigências é que, primeiramente, caso ainda não tenham passado pelo procedimento, os animais sejam castrados pelo programa É o Bicho.

Fundo Municipal do Bem-Estar Animal (FUBEM)
Foi criado pela Lei n 5.439/2018 e possibilita a captação de recursos para serem destinados a ações, programas e projetos em prol do bem-estar animal.

Ambulatório Veterinário Municipal Adão das Chagas
No espaço, a Prefeitura realiza o atendimento ambulatorial de animais. Por semana, são feitos cerca de 95 atendimentos.
O ambulatório está localizado na Rua Silva Jardim, 373, Centro, e funciona de segunda a sexta-feira, das 8h às 11h30 e das 13h30 às 17h.

Facebook
Twitter
WhatsApp

Notícias Relacionadas

Categorias

Redes Sociais